16 de mai de 2017

Por que situações de conflitos acontecem quando iniciamos o trabalho de melhora pessoal e espiritual?

Resultado de imagem para familia brigando desenho

Devido várias manifestações de insatisfações e frustrações nos relacionamentos, por filhos da corrente e amigos engajados num trabalho espiritual evolutivo, resolvi abordar este tema na tentativa de colaborar para uma compreensão mínima do agente provocador de tais situações.
Quantas vezes ouvimos dizer que assim que uma pessoa inicia um desenvolvimento espiritual ou quando ela muda de estágio dentro deste desenvolvimento, que tudo vira de ponta cabeça, que a família ou os amigos, ou ambos, se voltam contra elas gerando conflitos desnecessários, que os amigos do trabalho e o chefe passam a se comportar de maneira estranha e contrariada? Por que isto acontece?
Da mesma forma que é comum ouvir tais queixas, também é comum ouvirmos as explicações que atribuem a culpa por tais ocorrências à obsessores ou pelo o Comando Negro. Quem nunca recebeu o conselho para se manter firme porque os obsessores fazem isso para que você desista deste intento espiritual evolutivo?
Pois bem, não desconsideramos tais possibilidades, porém, existe mais um fator muito comum que ainda é pouco compreendido, percebido e analisado: “A frequência vibracional”.
Iniciaremos então, por algo que ao ser esmiuçado, mostrará o quanto a explicação acima pode ser incoerente e de certa forma insensata.
1 – Geralmente as pessoas chegam à um templo em busca de explicações, conselhos e ajuda para seus problemas. A dor os trazem até a espiritualidade.
2 - Algumas destas pessoas acabam descobrindo que possuem um grau mediúnico que necessita ser acompanhado e desenvolvido, o que o aliviará muito de seus problemas atuais.
3 – Nestes casos, onde o agente de desconforto e dor é a mediunidade desequilibrada, a pessoa receberá tratamento de equilíbrio energético, desobsessão e doutrina. Após tal tratamento e com melhora à olhos vistos, muitas vezes por gratidão ou por conscientização, estas decidem fazer parte do grupo de trabalhadores do templo.
4 – Se ela recebeu este tratamento e, posteriormente resolveu fazer parte do corpo mediúnico, como poderia ser um obsessor que gera os conflitos enfrentados inicialmente? Diante dos procedimentos normais da maioria das casas, o momento correto de receber permissão para fazer parte da egrégora é aquele onde ela já se encontra liberta destas influências de obsessores e consequentemente estar mais equilibrada mental e emocionalmente.
5 – Admitir este fator como corriqueiro é quase como dizer que todos os trabalhos realizados pelas entidades da casa não surtiram resultados. O interessante é que os próprios filhos da casa e, até os próprios chefes das mesmas, não se dão conta desta mensagem subliminar que passam ao declararem este fator. É claro que haverá casos em que as coisas só se resolveram com o passar de um longo tempo de tratamento, porém estes não são a maioria. Normalmente, a grande maioria, se resolve num tempo relativamente curto de tratamento espiritual e se mantém através de uma nova conduta comportamental, moral e ética orientada pelas entidades que estão cuidando destas pessoas.
Vamos agora analisar o fator frequência vibracional. O que é e como gera os conflitos.
1 – Como sempre precisamos reafirmar a questão de tudo e absolutamente tudo que existe ser energia em graus de densidades diferenciados. Desde uma emoção ou sentimento à uma cadeira, tudo é energia, vibrando em faixas de ondas energéticas distintas, mais ou menos rápidas.
2 – Muitos já ouviram falar sobre o inconsciente coletivo, que nada mais é do que um padrão de ressonância energética que impulsiona um grande grupo de pessoas à se comportarem de uma determinada forma, onde ações e reações, são de certa maneira comum à todos. Vou dar um exemplo bem básico, dentro de um padrão vibracional baixo, para melhor compreensão do inconsciente coletivo.
    “Um grupo de amigos se juntam, um deles não pode comparecer ao encontro. Num determinado ponto deste encontro os assuntos acabam quando um inicia um novo assunto exaltando um comportamento ou uma atitude do amigo que não está presente, negativamente, mostrando e afirmando sua indignação e contrariedade diante deste fato levantado. Os outros, ao ouvir tal comentário complementam e potencializam o que foi dito, dando cada um sua própria opinião”.
        Este é um padrão normal de baixa faixa vibracional coletiva onde a fofoca predomina como parâmetro de comparação e desqualificação de outra pessoa, normalmente ausente, para ressaltar qualidades, nem sempre existentes ou reais, das pessoas que abordaram o assunto alheio.
            E assim se dá muitos padrões de comportamento moral e de atitudes, dentro de um inconsciente coletivo. Atos e reações praticamente previsíveis que todos adotam como prática normal, imaginando que todos são inerentes à si, o que nem sempre é verdade. Se uma pessoa mantiver o hábito de se auto analisar, se conhecer profundamente, saberá identificar o que lhe agrada ou não, quais condutas que ela por escolha irá adotar ou não, o que te faz bem ou não e, não tão somente se comportar de forma reativa tal qual a grande massa energética que permeia o todo.
            3 – Como tudo é energia e como há a lei de que os iguais se atraem é fácil compreender que o núcleo familiar em que encarnamos, que o núcleo de amigos que escolhemos e que o ambiente de trabalho que conquistamos estão diretamente ligados à esse padrão vibracional energético que emitimos. Ou seja, fazemos parte de um grupo o mesmo será semelhante a nós com alguns diferenciais de personalidade, porém com a faixa vibracional energética compatível a nossa, tendo ações e reações previsíveis ao todo e a todos.
            4 – Assim que você decide assumir um novo caminho, onde envolverá um trabalho constante de evolução espiritual, onde passará a adotar uma nova postura diante das situações, onde sua compreensão se sutilizará e, principalmente, a partir do momento em que você conseguir colocar tais aprendizados em prática; naturalmente sua faixa vibracional energética se modificará e você se tornará um “elemento” estranho e diferenciado dentro do seu ciclo familiar (englobando amigos pessoais e de trabalho). Imediatamente, seu grupo de relacionamentos iniciará um processo de confrontos emocionais com você deixando muito clara a contrariedade que estão sentindo. Preciso deixar claro que na maioria das vezes, nossos entes queridos não o fazem de forma consciente, este comportamento de conflito é simplesmente atos reativos diante de uma “perda” do quantum energético que compunha esse grupo. Eles farão de tudo para boicotar, desestimular, criticar, incutir dúvidas e etc; para que você desista da decisão tomada e retorne ao padrão vibracional natural do grupo.
          Utilizarei a continuação do exemplo da fofoca, acima citado, para exemplificar a mudança da postura.
           “A situação é a mesma acima descrita, só que desta vez você já faz parte de um grupo que busca conscientemente evolução espiritual e sutilização de suas vibrações energéticas. Então, após o comentário do amigo denegrindo o outro e, após os complementos e afirmações dos demais fazendo o mesmo faltando apenas o seu comentário para completar o quadro absoluto da união do grupo ao fazer a fofoca; você ao invés de se comportar como é o esperado por todos, diz: - Me desculpem mas prefiro não falar sobre essa pessoa, porque para mim ela é uma pessoa especial e qualquer defeito que ela possa ter, também tenho os meus que preciso melhorar”.
        Imagine o desconforto que você causará em todos os outros que estavam naquela faixa vibracional e que esperavam de você o mesmo. No mínimo você receberá olhares contrariados, ou comentários do quanto você está chato querendo se fazer de santinho desde que entrou no templo. Estas atitudes irão cada vez mais incomodar todos a sua volta por dois motivos: Primeiro por deixar de compor o grupo vibracional que contava com o quantum de sua energia e, segundo por causar grandes frustrações naqueles que vivem se desculpando ou dizendo que vivenciar isso ou aquilo nas questões de melhora e reforma íntima, é impossível para quem tem sangue nas veias. De repente se deparam com você, que era um igual, se disciplinando com muito esforço e mostrando que há possibilidades sim de se auto aprimorar, admitindo e encarando os próprios defeitos e atitudes erradas, enfrentando suas dores mais profundas para limpa-las do seu campo emocional e que tudo isto é possível desde que haja vontade real em se melhorar. Vale ressaltar de maneira informativa que diante da mudança vibracional, é comum que algumas amizades simplesmente acabem, que a convivência com alguns familiares ficará mais escassa e difícil e, que todas estas etapas são normais para todos que fazem a escolha deste caminho.
          Compreender que de forma inconsciente, as pessoas que você mais ama e que imagina amar você, no íntimo de suas emoções não irão te felicitar por suas conquistas é importantíssimo. Por que apenas esta consciência te fará determinado e forte compreendendo que tudo é questão de graus de energia onde o tempo será um bálsamo que fará com que todos se acostumem com o novo você.               Que seu novo eu, sua perseverança e nova conduta sutilizada acabe por influenciar beneficamente todos os que estão ao seu redor impulsionando-os à evolução através de exemplos, atitudes concretas e equilíbrio. Afinal, a luz sempre vence a escuridão.

Abraços e Luz,

Solange Costa – Dirigente espiritual.

Um comentário:

  1. Bom dia, Solange!
    A matéria​ que postou é de grande importância para todos nós, pois constantemente somos colocados a prova e digo que por nós mesmos e quase sempre não nos saímos bem. Obrigada por compartilhar com a gente mais esse aprendizado!

    ResponderExcluir