NOSSA CASA

31 de mar. de 2016

Transição Planetária. Porque?




Olá amigos,
Hoje eu estava remexendo em algumas anotações antigas e encontrei uma aula que estudamos no TUCAL em março de 2012, ao reler achei válido postar esta aula para deixar disponível à todos que se interessam pelo estudo da espiritualidade.
 
O texto é um pouco longo mas vale a pena estudá-lo com atenção. O chamado está sendo único em todas as casas. Reforma íntima, auto conhecimento e evolução, vamos entender o porque.
 
Abraços e Luz,
Mãe Solange de Iemanjá
 
Urbanização rápida e imediata do planeta Terra.
 
As personalidades mais lúcidas (e não evoluídas), as inteligentes, já estão conscientes que todo ódio, mágoa, desafeto e desequilíbrio gera formas pensamento problemáticas, inadequadas e nocivas e, que comportamentos anti éticos provocam reações em cadeia. Absolutamente qualquer comportamento anti ético; e não precisa ser religioso para saber disso e sim ter inteligência para observar, aliás, grande parte dos religiosos ainda não se aperceberam dessa condição,  para isso é necessário desenvolver a inteligência emocional , gera desequilíbrio em cadeia.
 
Qualquer um que tiver o trabalho de atentamente observar seus pensamentos e seus sentimentos e, as reações que isso causa em torno de si vai perceber claramente que tudo o que é anti ético gera situações desorganizadas e desequilibradas.
 
Alguns até ficam assustados ao perceber o quanto a vida vai desorganizando e desestruturando. E o que fazem diante disto?
 
A coisa toda sempre acaba recaindo sobre o obsessor ou a um terceiro, ou culpam o sistema, o governo, etc. Ou seja, buscam um culpado fora de si.
 
Agora, ao fazer uma análise sem paixão, distanciados do vitimísmos, vão perceber que o que provocou todo o infortúnio foi exatamente a atitude mental que conservavam.
 
A mente plasma tudo ao seu redor, o pensamento é o grande arquiteto de tudo. Tudo e absolutamente tudo tem início no pensamento. Primeiro pensamos e elaboramos as coisas no pensamento para depois e só então realizá-las materialmente.
 
Os planetas vizinhos se ressentem de tudo o que ocorre na humanidade e foi por essa razão que próximo dos anos 40 e 50 houve uma grande quantidade de avistamentos de naves extra terrestres; principalmente sobre os países chaves da época: EUA, Alemanha, França, Inglaterra e Japão. (Isto pode ser comprovado através de matérias divulgadas na empresa da época).
 
Isso aconteceu devido as explosões nucleares que ocorreram na Terra e a enorme quantidade de ectoplasma que foi exalado da vida que estava sendo depósito da Terra. Este ectoplasma saiu como um raio que foi canalizado para as dimensões próximas à Terra e assim, afetando a vida das colônias e das cidades espirituais, como também de outros mundos e foi então, que eles começaram a vir para a Terra para apoiar o trabalho dos Guardiões, para evitar que novamente se repetisse o mesmo processo de desequilíbrio que ocorreu na Segunda Guerra Mundial.
Mas eles não vieram nos ajudar por ser bonzinhos e sim porque os ocorridos na Terra estava afetando diretamente o equilíbrio da vida nos outros planetas, comprovando assim, o fato de sermos todos interligados; mesmo que teimamos em não reconhecer essa realidade e estamos interligados justamente por forças magnéticas.
 
Tudo o que fazemos na Terra afeta o sistema inteiro.
 
Os espíritos nos falam sobre uma lei chamada repercussão vibratória, ou seja, através dessa lei o que ocorre na Terra vai ocorrer e repercutir em todas as camadas da vida e das civilizações extra físicas, atingindo assim:
 
Sol, Mercúrio, Vênus, Terra, Lua, Marte, Júpiter, Saturno, Urano, Netuno, Plutão, Maruk (Nibiru) e ainda mais além, Marduk e, depois os sistemas solares e tudo sofrerá a repercussão vibratória.
 
Então, esta foi a única e real causa que trouxe os extraterrestres até nós. Como já foi dito, eles não vieram nos ajudar por ser bonzinhos e sim para preservar o sistema da vida deles, uma causa universal.
 
Porque, se algo acontecer à Terra para destruir o planeta, eles serão diretamente afetados num desequilíbrio geral do sistema solar.
 
O sistema solar desequilibrando, toda a constelação de Hércules a qual participa o sistema solar, será desequilibrada. Desequilibrando a constelação de Hércules a Via Láctea inteira vai sofrer gravitacionalmente e a força da gravidade vai imperar e, todos os planetas serão afetados, ou seja, o desequilíbrio simples no planeta Terra repercutirá há milhões de anos luz.
 
Por essa razão que a transição do planeta se faz tão urgente; que a reurbanização do planeta necessita ser imediata, ou isso ocorre agora ou outros planetas e sistemas de vidas serão desorganizados.
 
A ajuda que recebemos é feita para que esses sistemas não sofram com o risco de deixar o homem a própria sorte e assim destruir o planeta, afetando todo o sistema e a constituição de vida extra física. Sendo assim, eles não deixam o homem entregue a si mesmo.
 
Eles estão colaborando diretamente com os Guardiões, não por ser bonzinhos e sim por ser inteligentes, para que os sistemas não sejam afetados, preservando a própria vida.
 
Os sistemas mais próximos são o Alfa Centauro e o sistema de Vegas, que são habitados por espíritos mais esclarecidos que nós estarão eternamente comprometidos se fizermos alguma coisa aqui. Então, ou o processo de reurbanização se dá imediatamente promovendo os expurgos numa forma eficaz de equilibrar o magnetismo do planeta, através dessa limpeza em nossas regiões umbralinas ou todos estaremos entregues as consequências de um desequilíbrio magnético inevitável colocando em jogo todos os sistemas de vida e energias vibracionais que provocaria a falência do plano do Criador.
 
Sendo assim, essa reforma se dá no hoje e não para a geração seguinte, o chamado está sendo feito agora. Estamos na era da colheita.
 
Como podem perceber a necessidade é científica e não religiosa.
 
Após essa breve explicação da necessidade de se fazer essa limpeza nas regiões umbralinas para que se equilibre o magnetismo e o sistema gravitacional, finalmente chegamos à nossa atuação direta nesse projeto de reurbanização do planeta Terra.
 
A espiritualidade e os sistemas extra físicos contam diretamente com o trabalho dos médiuns. Para que isso ocorra é necessário que os médiuns entrem imediatamente no processo de auto conhecimento e trabalho de equilíbrio emocional e mental.
 
O médium, justamente pela condição de encarnado, possui um tesouro, que é o ectoplasma. Essa matéria fluídica é utilizada com eficácia impressionante em vários níveis de trabalhos que necessitam ser realizados de estruturação e regeneração.
 
Proporciona o choque anímico em trabalhos de transportes, trazendo mesmo que por um breve instante, uma condição maior de lucidez para os espíritos que estão sendo resgatados dando-lhes a condição da utilização do livre arbítrio onde poderão escolher ir para as regiões de tratamentos. Sendo ele então, retirado do processo de desequilíbrio que o prende seu mental.
 
Proporciona a cura do corpo espiritual, o refazimento da boa condição desse corpo que foi gravemente afetado em diversas situações.
 
 Em trabalhos nas regiões umbralinas onde o grau da energia de anti matéria (matéria altamente condensada nas regiões astrais) é imensa ao ponto de impedir o ingresso até mesmo dos Guardiões. Nestes casos a espiritualidade se utilizam dos médiuns em desdobramento possuidor natural do ectoplasma. Nestes trabalhos o ectoplasma causa um impacto naquela materialidade umbralina e vai como  que explodindo ou rasgando esse campo de anti matéria, abrindo brechas que permite o acesso dos Guardiões para que entrem e façam seus trabalhos de resgates.
 
Por estas e outras razões que o trabalho do médium é imprescindível  já que ele é o doador natural do ectoplasma.
 
Diante de tudo o que foi exposto se conclui que é o momento da conscientização e da vontade sincera de se dispor a ser um trabalhador atuante, principalmente no mundo astral, aprendendo a se defender de ataques magnéticos e atuar com consciência.
 
Na condição de encarnados não temos como proceder doutrinações, já que estamos na condição de encarnados e de esquecimento de nós mesmos mas, estamos aptos na atuação passível como instrumentos equilibrador e encaminhador.
 
Para que isso ocorra de forma correta, atuante, válida e eficaz é necessário que tenhamos o mínimo de consciência de quem somos nós, para não nos deixarmos influenciar ou desequilibrar por eventuais ataques nos momentos de trabalho, caso contrário, com apenas palavras certeiras seremos abatidos.
 
O único caminho é trabalhar com afinco e sem temor a reforma íntima e o auto conhecimento. Conscientizados que o Pai não espera de nós a perfeição e sim a disciplina e a disposição para trabalhar e melhorar e, cada um será utilizado com aquilo que tem de melhor em si.

Jesus não busca os capacitados, Ele capacita os homens de boa vontade.

Palestra: - Médium Robson Pinheiro - ano 2012

30 de mar. de 2016

O Batismo na Umbanda




O ritual de batismo na Umbanda se deu devido a influência Cristã, a grande maioria dos umbandista além de cultuarem os Orixás são Cristãos, ou seja, são seguidores dos ensinamentos deixados por Jesus Cristo.
Apesar de já haver rituais muito similares provindos dos cultos Afro e indígena, como os banhos de amancí, cachoeira, mar, rio e outros; e, a maioria ter o mesmo objetivo de purificação do corpo e da alma, o batismo como forma de remissão dos pecados e ressurreição  surgiu a partir dos ensinamentos bíblicos onde o próprio Jesus incentivou à todos a praticar este ritual, seguindo Seu exemplo, para o recebimento do Espírito Santo. Mateus cap.3 vers. 13 ao 16.

13 Então veio Jesus da Galiléia ter com João, junto do Jordão, para ser batizado por ele.
 
14 Mas João opunha-se-lhe, dizendo: Eu careço de ser batizado por ti, e vens tu a mim?
 
15 Jesus, porém, respondendo, disse-lhe: Deixa por agora, porque assim nos convém cumprir toda a justiça. Então ele o permitiu.
 
16 E, sendo Jesus batizado, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba e vindo sobre ele.
 
Na igreja Católica o batismo é o primeiro sacramento do cristianismo, que apaga o pecado original de quem o recebe e a este confere o caráter de cristão.
 
Na Umbanda o batismo é um ato litúrgico que simboliza a aceitação da Umbanda como sua religião e o comprometimento em melhorar-se se esforçando para seguir os ensinamentos vindos do plano astral de acordo com as Leis Divinas e as palavras de Cristo.
 
Em ambas, o batismo, também é uma forma de apresentação da pessoa à Deus como seu seguidor.
 
De uma maneira bem simplificada. O que significa o batismo?
 
O batismo tem o significado do homem ao ser banhado nas águas sagradas morrer para os maus instintos e ressurgir para uma vida nova conforme às Leis Divinas. Este ato simboliza a morte de Jesus Cristo para ressuscitar com a Graça do Divino Espírito Santo.
 
Em algumas religiões o batismo não é feito quando a pessoa ainda é criança, ele só é feito quando a pessoa tem condições de assumir o compromisso com Deus e seus mandamentos.
 
Na época de Jesus Cristo, ser batizado nas águas do rio Jordão, era um ato público que declarava a aceitação ao Deus único. Por conta disto é que os padrinhos se tornaram peça importante nos batizados, eles são as testemunhas do ato de batismo e assumem o comprometimento em auxiliar seu afilhado a seguir os mandamentos de Deus.
 
No terreiro de Umbanda além dos padrinhos encarnados é oferecido ao batizando a presença de dois falangeiros de Orixás, geralmente são falangeiros dos Orixás de Juntó que ao se manifestarem, representam a presença Divina no ato litúrgico e, estes falangeiros se responsabilizam energeticamente pelo seu afilhado, garantindo amparo espiritual durante sua encarnação.
 
Compreendemos o ato do batismo como algo de extrema seriedade e responsabilidade, onde a consciência dos pais e padrinhos de uma criança, ou então, a consciência de uma pessoa já adulta, de que, naquele momento estará sendo assumido um compromisso diante de Deus e que este compromisso deverá ser cumprido com atitudes de melhora e obediência às Leis Divinas.
 
Não cabe aos padrinhos o sustento material de seus afilhados, sendo assim, ao escolherem seus padrinhos busquem por pessoas que realmente lhes tenham carinho e proximidade e, é muito importante, que estas pessoas também possuam também um comprometimento com Deus e Seus mandamentos. Não escolham padrinhos por interesses materias, esta atitude seria o primeiro ato contrário à Deus.
 
Ao aceitarem o compromisso de apadrinhar uma pessoa, tenham em mente a grande responsabilidade que lhes caberá, pois tal ato não se trata apenas de uma convenção social e sim de um compromisso assumido perante as forças Divinas de acompanhar e orientar esta pessoa nos caminhos do Senhor. Socialmente este compromisso pode até ser esquecido ou negligenciado com o passar dos anos porém, energeticamente ele estará vigente, ou seja, sua responsabilidade será cobrada diante das Leis Divinas, considerando que todo padrinho além de assumir tal compromisso com seu afilhado, um dia também assumiu seu próprio compromisso diante de Deus.
 
Não nos aprofundaremos muito nos rituais realizados nos terreiros, já que cada casa segue as orientações de seus Guias Chefes mas, podemos citar algumas práticas que são comumente realizadas nestas cerimônias.
 
1 - A utilização da pemba - Representando a Linha Cristalina - onde será feita a ligação do batizando com a egrégora da Umbanda.
 
2 - A utilização do incenso - Representando a Linha Eólica - que realizará a limpeza áurica e garantirá a fluidez no decorrer da encarnação do batizando.
 
3 - A utilização do sal - Representando a Linha Mineral - que trará energias de prosperidade e ordem. Ele também pode ter a representação do sofrimento de Cristo, do suor de Seu rosto.
 
4 - A utilização da vela - Representando a Linha Ígnea - simbolizará a chama Divina que iluminará e trará equilíbrio para o batizando.
 
5 - A utilização do azeite - Representando a Linha Vegetal - que irá ungir, abençoar, consagrar o batizando.

6 - A utilização da essência - Representando a Linha Telúrica - que trará força e determinação e ajudará na transformação do eu conforme as Leis Divinas.
 
7 - A utilização da água ou águas - Representando a Linha Aquática - garantindo a purificação e a ligação com o plano Divino.
 
E ao findar o ritual geralmente os Guias Chefes abençoam o batizando em nome de Tupã, de Pai Oxalá e de Ifá, conforme a recomendação de Jesus Cristo.
 
Mateus cap. 28 vrs, 18 ao 20.
 
18 E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra.
 
19 Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo;
 
20 Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.
 
Abraços e Luz,
Mãe Solange de Iemanjá





29 de mar. de 2016

Mudanças nos terreiros. O que está acontecendo?




     A Umbanda, antes de ser assentada no plano material, foi minuciosamente pensada para atender as pessoas da época e para resistir e colaborar na fase de transição planetária.
     Hoje ela é centenária porém, podemos dizer sem receio de errar que é tão atual quanto necessário para o momento que estamos vivendo.
     Na época do seu assentamento as pessoas humildes não tinham acesso a médicos, advogados, psicólogos, conselheiros, etc. Sendo assim, as entidades da Umbanda supriam tais carências com aconselhamentos gerais e curas. Infelizmente, com a interferência de médiuns mal intencionados ou literalmente ignorantes, no decorrer do tempo, criaram vários padrões distorcidos da realidade astral, fazendo da Umbanda quase que um balcão de negociatas onde a troca de favores eram realizadas entre assistentes e entidades. Muitos destes médiuns, os mal intencionados, se valiam dos feitos astrais para se beneficiarem de alguma forma. Como por exemplo: Receber dinheiro em troca de trabalhos que garantiriam certa vantagem para o consulente; aceitar objetos de valor em forma de agradecimentos enfim, se tornaram de alguma forma mercenários abusando da fé alheia.
     Infelizmente estas condutas foram trazidas por anos a fio até por casas conceituadas e sérias de uma forma mais amena porém, ainda assim, negligenciando os direcionamentos astrais que deveriam ser seguidos a risca.
     A Umbanda é uma religião humilde para os humildes porém, jamais foi e será uma religião ignorante. Tais condições se deram por conta de médiuns ignorantes que não alcançavam os objetivos do plano astral.
     Muitas curas foram realizadas principalmente com ervas, já que quase ninguém tinha acesso à médicos ou hospitais. Este é um dos casos que podemos notar grande diferença nos últimos anos e fica fácil compreender as razões. Cada dia menos vemos as entidades receitando ervas medicinais ou ensinando as pessoas a elaborarem remédios através de ervas, como as garrafadas, emplastos, etc. Nos primórdios era comum as próprias pessoas já possuírem algum tipo de conhecimento neste sentido e, também cultivarem em seus quintais algumas ervas medicinais para casos de emergências.       Sendo assim, quase todas as pessoas conheciam as ervas e as cultivavam e se por um acaso não as possuíssem com certeza as encontrariam na casa de uma comadre ou vizinha amiga. Hoje, a grande maioria das pessoas não conhecem absolutamente nada a respeito de ervas; não reconhecem suas folhas, formatos, aromas; não sabem de suas propriedades medicinais e não possuem nada plantado em suas casas ou nas casas de conhecidos. Então podemos compreender o porque as entidades estão deixando de usar tais recursos, não que as ervas não sejam eficazes, mas por conta desta falta de intimidade e pela incerteza de como tais ervas são cultivadas e armazenadas, podendo causar mais problemas do que trazer soluções nos casos de utilização inadequada ou até na utilização de erva errada, por falta de conhecimento. Lembrando também, que nos dias atuais o acesso à médicos e medicamentos está extremamente facilitado o que agiliza o tratamento e a cura em si.
     Outra questão são as mirongas, é sabido que o plano astral veio ao longo deste tempo recolhendo velhos conhecimentos de magia que em mãos erradas se transformaram em verdadeiras armas, que invadiam e dominavam o livre arbítrio de terceiros e, ou prejudicava substancialmente a vida dos desafetos. Tais atitudes por infringir uma das leis Cósmicas, a do livre arbítrio, colaborou para que o plano astral decidisse recolher tais conhecimentos.          
     Enfim, posso afirmar que nos dias atuais, entre os médiuns mais novos, provavelmente nenhum deles saibam como fazer um feitiço de fato.
     Pois bem, se os guias da Umbanda não fazem mais mirongas com feitiços, não utilizam mais ervas para curar as pessoas o que restou nos terreiros?
     Restou o fluxo evolutivo, a expansão da consciência dos seres que vivem no planeta nos dias atuais. Sendo assim, todos que hoje aqui estamos já temos a capacidade de compreender como fluem as energias Cósmicas e qual o caminho para nos livrarmos de todos os males existentes. A reforma íntima ou o auto conhecimento é o principal canal de ligação energética salutar nos tempos atuais.        
     Através disto poderemos compreender todas as causas de nossas doenças, que nada mais são do que somatizações desequilibradas de nossa emoções (vaidades, egos feridos, orgulhos, melindres, vitimísmos, etc). Através da psicossomática podemos estudar e nos aprofundarmos à este respeito. Já na questão prosperidade, também através do auto conhecimento, conseguiremos identificar medos e bloqueios; conceitos e pré conceitos que nos impedem de crescer; a postura emocional diante dos obstáculos e a fuga de nossas culpas e responsabilidades, jogando-as nas costas de outras pessoas, governo, situações, etc.
     Diante do quadro atual e da capacidade que o ser encarnado adquiriu em compreender os fluxos energéticos Cósmicos, ou as Leis Divinas, vemos hoje nos terreiros um trabalho muito maior na conscientização das pessoas do que qualquer outro tipo de trabalho.     
    Hoje não há mais espaço para colocar as culpas no obsessor ou no Exú. Já há um nível razoável de compreensão que tudo que nos acontece são resultantes de nossas escolhas, boas ou más e que a colheita será inevitável.
     Como diz Vovó Maria Cambinda: - Quem planta arroz, jamais colherá milho. Ou seja, tudo o que chegar até nós, de bom ou de ruim, será a resultante de nossos atos e escolhas.
     Por estas razões básicas é que podemos compreender que os terreiros de Umbanda não são balcões de negociatas onde as entidades atenderão aos seus desejos em troca de um presente ou acordo qualquer; não são agências matrimoniais para arrumar maridos ou esposas ou então, separar amantes; não são agências de empregos e nem, muito menos agências bancárias para te trazer dinheiro de alguma maneira. Longe disto que foi dito, os terreiros, pelo menos os sérios e comprometidos, são na verdade escolas que ensinam e direcionam seus seguidores à cumprir com as Leis Divinas e as Leis de Evolução. Todas as entidades de Umbanda continuam sim, ajudando, impulsionando, direcionando, curando e aconselhando porém, tudo dentro de seu grau de merecimento sem ultrapassar um milímetro se quer daquilo que lhe é devido.
     A maior lei dentro dos terreiros hoje em dia é a efetivação da reforma íntima e do melhoramento pessoal calcados na verdade e não em máscaras.

Abraços e Luz,
Mãe Solange de Iemanjá

22 de mar. de 2016

Médium de Trunqueira - Quem são e o seu significado.






Todos nós Umbandistas sabemos que o desenvolvimento mediúnico envolve vários estágios. Em primeiro lugar o médium iniciante ao adentrar em uma corrente vai ocupar o lugar de ajudante e cambone. Ele passará algum tempo auxiliando nos afazeres da casa e auxiliando as entidades que trabalham na casa. Este tempo é de extrema valia onde o médium terá a oportunidade de amealhar inúmeros conhecimentos e terá também a oportunidade de se valer dos aconselhamentos que acompanhará como cambone para se melhorar como pessoa, não só dentro do terreiro como em seu dia a dia. Esta fase é o primeiro passo para sua jornada mediúnica que está por vir.

Como tudo na vida estes estágios levarão algum tempo. Não há nada pré determinado porque cada médium é um universo em si e, sendo assim, cada um tem seu tempo e seu grau de mediunidade para ser desenvolvido.

Após o tempo de adaptação e integração com a casa e seus participantes ele iniciará seu desenvolvimento mediúnico participando das giras de desenvolvimento realizadas pelo guia chefe da casa.

Nesta fase, o médium começa a aprender o que são as irradiações das entidades sobre si, a aprender se elevar para entrar em conexão com suas entidades, a aprender diferenciar uma irradiação da outra (a diferença de um guia para outro) até conseguir a incorporação, ou seja, a conexão completa com suas entidades.

Depois de algum tempo em gira de desenvolvimento, quando a incorporação já é efetiva é chegado o momento do médium passar para um novo estágio, o que chamamos de médium de trunqueira. Achamos relevante mencionar que nem todos os terreiros aderem este processo de desenvolvimento, cada casa tem sua forma de trabalho de acordo com o guia chefe porém, como em nossa casa existe este estágio resolvemos compartilhar sua razão e significado.

Porque eles são chamados médiuns de trunqueira?

Porque logo após a incorporação de suas entidades estes médiuns são posicionados próximos a entrada, ou seja, na porta do Congá, por isto o termo trunqueira. Onde permanecerão até o final do trabalho. Este local é adequado por facilitar a visualização do guia chefe para com estes médiuns.

E qual é a finalidade deste estágio?

O médium iniciante após o período de gira de desenvolvimento já consegue a conexão com seu guia. Ele aprendeu nesta fase à incorporar porém, tais incorporações se dão em um curto espaço de tempo e são acompanhadas e potencializadas o tempo todo pelas outras entidades atuantes da casa, sendo assim, ele (o médium) ainda não sabe manter esta conexão por horas seguidas e esta será uma das metas que ele alcançará durante o tempo em que permanecer na trunqueira. Tanto é que, nesta fase é comum os médiuns de trunqueira oscilar durante o tempo do trabalho, ligando e desligando de suas entidades até o dia em que finalmente consegue manter a conexão durante todo o tempo de trabalho, devidamente incorporados ou irradiados.

Este tempo também servirá para que ele, o médium, e suas entidades criem laços energéticos ao ponto do médium reconhece-las pela irradiação que emanam e pelas sensações que causam em seu campo energético e físico.

O guia por sua vez, aproveitará este tempo para, aos poucos, ensinar ao seu médium quem ele é, que tipo de trabalho pretende realizar junto ao médium e passar seus pontos riscados e cantados.

Assim que esta fase se firma, devidamente acompanhada pelo guia chefe da casa, chegará o momento em que será solicitado ao médium incorporado da sua entidade que risque e cante o ponto. Este é o primeiro momento em que o médium de fato atuará juntamente com sua entidade revelando se de fato está preparado ou não para iniciar sua jornada como médium de trabalho, atendendo os assistentes que recorrem à casa onde ele está se desenvolvendo.

No tempo em que o médium está na trunqueira alguns cuidados são tomados, como por exemplo:

1 - Não permitir que ele fale com outras pessoas ou mesmo outras entidades. Como é uma fase onde a incorporação é inconstante ele poderá se perder no animismo o que poderá comprometer o restante de sua jornada como médium. Sendo assim, cabe à ele, médium, ficar em silêncio e concentrado para sentir e observar sua entidade e suas próprias reações durante a incorporação.

2 - Nada pode ser servido ao médium da trunqueira sem a autorização do guia chefe. Compreendendo que todos os alimentos, bebidas e fumos são na verdade elementos magísticos e, portanto, deverão ser utilizados com sabedoria e dentro da faixa vibracional da entidade atuante e não de acordo com o paladar e agrado do médium. Apenas água é permitido ser servida sem autorização.

3 - Observá-los constantemente e corrigi-los em cada tropeço que possam realizar. Nesta fase é importantíssimo este cuidado. Esta conduta de correção os ajudará a distinguir os momentos em que foram eles que atravessaram a entidade, atuando animicamente e, os momentos em que foram as entidades atuando através da mediunidade deles.

Para encerrar, após algum tempo trabalhando na trunqueira chegará o momento em que ele riscará e cantará os pontos de suas entidades e assim receberá a autorização para iniciar seu trabalho como médium firme.

Porém, vale ressaltar que o desenvolvimento de um médium nunca tem fim, ele estará em constante aprendizado e sempre haverá algo mais a melhorar e aprender.

Abraços e Luz,
Mãe Solange de Iemanjá

18 de mar. de 2016

Momento político






Olá amigos,

Devido aos últimos acontecimentos políticos do nosso País resolvi escrever este texto para repassar como nós do Tucal entendemos esta situação.

Para isso contarei uma sequência de acontecimentos dentro do nosso terreiro durante algumas giras.

Muito provavelmente, não é segredo e nem novidade, para os umbandistas, espíritas e afins que nosso planeta está em transição. O que significa isso? Vivíamos em um planeta num grau vibracional de provas e expiações, onde o ser ficava preso à carmas e necessitava de dor  para poder assimilar a máxima: Tudo quanto, pois, quereis que os homens vos façam, assim fazei-o vós também a eles; porque esta é a lei e os profetas. Matheus 7:12.

Neste momento o planeta está evoluindo em seu grau vibracional para passar a ser um planeta de expiação. Não que neste novo grau, a dor ou carma serão extinguidos por completo porém, já haverá a possibilidade de aprendizado através de exemplos e compreensão das leis Divinas devido a expansão de consciência dos habitantes da Terra.

Pois bem, em 2012, em uma gira de esquerda o Exú Tranca Ruas utilizou a passagem bíblica: Portanto, não os temais; porque nada há encoberto que não haja de revelar-se, nem oculto que haja de saber-se. Matheus 10:26  Foi uma aula muito proveitosa onde nos lembrou que podemos esconder falhas morais até de nós mesmos menos das energias Cósmicas. Confesso que na época imaginávamos que tais ensinamentos eram dirigidos apenas ao corpo mediúnico de nossa casa, algo de cunho interno; não tínhamos ideia que na verdade eles já vinham trazendo as diretrizes da ondas Cósmicas de evolução para a transformação do planeta.

A partir deste ponto cada dia mais e mais somos direcionados para o crescimento e aprimoramento moral e espiritual através de um trabalho árduo de reforma íntima.

Todo final de ano, recebemos a regência energética que irá conduzir o ano vindouro e, no final de 2014 pela primeira vez o Caboclo Cobra Coral, além das previsões energéticas e de fenômenos naturais veio trazendo o aviso que nosso país passaria a partir de 2015 uma fase muito complicada politicamente que afetaria todos nós e que esta fase poderia durar até 3 anos, ou seja, poderia ser de dificuldade até 2017 para depois se estabilizar para o melhor.

No final de 2015, foi passada a regência para 2016: As energias de Xangô no trono da lei, onde tudo o que estivesse fora do fluxo da lei seria cobrado e, as energias de Nanã Burôque onde todos seriam inspirados à utilizar de toda experiência, vivência e paciência para ultrapassar essa fase de reforma íntima e social.

Não sou uma pessoa politizada, muito ao contrário disto,  não gosto e não me interesso por este assunto, assim como a grande maioria dos brasileiros. Estranhei o alerta recebido mas como sempre avisei a corrente para que todos ficassem cientes das energias que estavam por vir.

E hoje, conforme nos foi avisado pela espiritualidade, estamos aqui no meio dessa confusão e onda de revolta e insegurança política que está nos afetando diretamente. Mesmo para uma pessoa como eu, não há como não participar e não se envolver neste assunto.

Então decidi vir até vocês porque estamos percebendo que a revolta, os confrontos e os sentimentos de raiva estão dominando muitos brasileiros sejam eles os que se posicionam contrários ao governo ou sejam eles os que apoiam este governo.

Observando tudo isto do âmbito astral, energético e espiritual, venho dizer o seguinte:

Se a espiritualidade à anos nos informaram e informam das coisas que hoje estão acontecendo nós só podemos compreender que tudo está dentro dos planos Cósmico de evolução. Como umbandista creio que as energias Cósmicas atuam constantemente para o nosso bem e para nossa evolução sendo assim, não tem o porque me sentir ameaçada, ao contrário disto eu me sinto esperançosa e confiante de que estamos realmente no caminho para algo melhor.

Compreendo que toda reforma faz bagunça e trás sujeira para que no final tudo fique mais bonito e arrumado. Não há reforma sem quebradeira, é preciso paciência para enfrentar este momento.

Sendo contra ou a favor do partido governante, imagino que a grande maioria dos brasileiros percebem e sentem que do jeito que as coisas estavam não poderiam continuar e imagino que todos sem exceção desejam um país melhor com os serviços públicos básicos (saúde, educação e trabalho) a contento.

Então eu convoco à todos que confiam na espiritualidade a entrar no fluxo energético de melhoras, de boas mudanças, de justiça, de equilíbrio e democracia concreta deixando de lado as revoltas, os confrontos, as indignações e as agressividades.

Vamos sim para às ruas mas, vamos com um grito solto de um país melhor, com um grito de paz, com um grito de ordem e com o coração repleto de confiança que vamos conseguir mudar este quadro de corrupção e que a força da pátria do evangelho irá vencer.

Eu não sei o caminho, eu não sei o partido, eu não sei qual político governará nosso País, apenas sei que será melhor...

Eu confio!!!

Abraços e Luz,
Mãe Solange de Iemanjá