22 de out de 2014

Gravidez indesejada, aborto e suas consequências!






          A Terra em seu ciclo evolutivo passou por várias etapas, desde um planeta extremamente primitivo à transição planetária, que bate a porta fazendo assim a separação do joio do trigo.
            Não se deixem enganar pelo astral inferior,  a mãe Terra e seus habitantes evoluíram muito, tanto no plano físico como astral.
            Dentro desta jornada há os compromissos de reencarnações agregando núcleos familiares para novas oportunidades evolutivas. Em um ciclo de encarnes e desencarnes como verdadeiras oportunidades de harmonização e aprendizado.
            Mesmo quando um encarnado aceita receber em seu lar um espírito, de igual patamar evolutivo ou não que de alguma forma não tem histórico cármico com sua família há um planejamento e um trabalho em conjunto para o acolhimento deste, sempre dentro de um fluxo positivo para o processo evolutivo.
            Sendo assim, se uma determinada mulher, entre todas as possibilidades de escolha, respeitando sempre seu Eu superior que esta pré destinada á gerar um filho aos 25 anos, o mesmo se encontrará no plano astral sendo preparado para nova oportunidade.
            Digamos então, que supostamente, essa mesma mulher resolva iniciar sua vida sexual aos 14 anos e, mesmo diante de todo conhecimento recebido à respeito de prevenções, inconseqüentemente engravide. Será que ela receberá em seu ventre aquele espírito que já estava predestinado?  Muito provavelmente não. Possivelmente receberá em seu ventre como filho um espírito que está aguardando oportunidade de reencarne sem que este tenha vínculo familiar, pois o mesmo, devido ao atraso em seu estado evolutivo, se perdeu de suas origens e aguarda nova oportunidade compulsória, ou seja, sem o direito de escolha. E são nestas oportunidades inesperadas que o processo reencarnatório encontram condições para trazê-los à vida física, afinal, não se pode negar oportunidade àquele irmão que se encontra na ignorância
            O casal poderá dizer: Não escolhemos engravidar!
            Porém, tinham ciência que o ato sexual gera vida! Sendo assim, ao praticá-lo sem tomar medidas preventivas, os protagonistas aceitam á concepção através de sua ação.
            Mesmo uma escolha aparentemente prejudicial aos seus olhos imaturos poderá sem dúvida trazer-lhes o desenvolvimento evolutivo.
            Tudo o que você desarmonizar em algum momento de tempo ou espaço você receberá a oportunidade de harmonizar.
            Espíritos que a muito estão nas trevas da ignorância recebem a oportunidade de uma encarnação compulsória e ao adentrarem em contado com o físico terem suas memórias apagadas recebendo assim, o acolhimento em um útero materno após séculos de escuridão e frieza emocional. Ao se aconchegar ao útero começam a recuperar um resquício de humanidade.
            Porém, o pior esta por vir! A imaturidade daqueles que deveriam protegê-los e direcioná-los, escolhem dar fim àquele filho que seria um fardo, um problema. Os pais, em questão, não têm idéia que já houve a ligação energética, entre eles e o espírito reencarnante, que vai além da matéria gerando assim um carma.
            Como toda ação tem uma reação, o peso do remorso aliado ao ódio do filho desprezado e mutilado pelas trevas da ignorância faz com que este Ser recupere agora seus instintos mais primitivos e, em sua memória se encontrará o desejo de vingança por ter sido desprezado.
            Desta equação remorso X vingança nasce uma simbiose que poderá ressonar e alterar o fluxo das vidas de seus pais apesar deste espírito ter sido acolhido novamente pelo plano astral.
            Mas onde está Deus que não me perdoa? Pois a muito me arrependi desta insanidade, ato que cometi quando muito jovem.
            Ele está contigo sustentando suas dores na hora da colheita do fruto amargo que escolheu plantar, te direcionando para a harmonização de seus atos. Pois é a fonte primária de todos os filhos.
 
Mãe Benedita do Congo.
Pela médium: Mãe Pequena Solange Villela





Nenhum comentário:

Postar um comentário