NOSSA CASA

29 de out de 2014

Os Mistérios da Umbanda





            Nas literaturas de Umbanda muito se fala a respeito de mistérios. E afinal, do que se trata esses mistérios?
            Na verdade, os mistérios na linguística Umbandista, nada mais é do que as especialidades de trabalho e emanações energéticas das entidades trabalhadoras e dos Orixás da Umbanda.
            Cada entidade ao assumir o compromisso de trabalho na Umbanda, de acordo com o seu grau evolutivo, seu conhecimento, compatibilidade energética, faixa vibracional, personalidade e interesse de aprendizado para sua jornada evolutiva, ingressa em uma falange de trabalho dentro de uma das sete linhas da Umbanda de acordo com o Eu determinante, ou seja, de acordo com o que se é e do que necessita para evoluir. A entidade se coloca em um dos graus energéticos dentro da hierarquia da Umbanda para efetuar determinado trabalho dentro de uma das sete linhas.
            Existem algumas formas de se analisar e identificar estes mistérios, uma delas é através do ponto riscado, onde através de interpretações das formas geométricas "desenhadas", pode-se compreender linha e falange de trabalho, área de atuação, busca evolutiva, entre outros. Outra forma é através dos pontos cantados que claramente conta um pouco à respeito do trabalho, da linha, da falange de trabalho de cada um.
            Estas duas formas citadas acima são exclusivas, cada entidade trás suas identificações pessoais (individuais), assim como nós trazemos nossas marcas que nos individualizam, como por exemplo: Assinatura, paternidade, local de nascimento e qualificações.
            Existe também uma forma de identificação destas qualificações e áreas de atuações básicas das entidades através dos nomes cabalísticos que se utilizam ao se apresentarem, trazendo à tona de uma forma geral e comum à todos que se utilizam do mesmo nome.
            Abaixo daremos alguns exemplos para melhor compreensão.
 
Mistério Pena Verde
 
A Pena -
 
1 - Objeto leve e delicado, representando a sutilidade ou campo astral, também representando o emocional que nada mais é do que um corpo sutil no campo das sensações.
 
2 - Objeto diretamente ligado ao conhecimento. Desde os primórdios que a pena é utilizada para escritas, sendo elas, diretamente ligada ao estudo e seus registros.
 
3 - Parte de um organismo físico. Literalmente, a pena é um pedaço do corpo de um animal. O corpo físico representa a densidade, energia de baixa vibração ou densa.
 
O Verde -
 
1 - Cor representativa de Oxossi ou linha vegetal. Diretamente ligada ao conhecimento, a maturidade, altivez, sustento e cura.
 
2 - Representa a fartura, a abundância, a fertilidade, o sustento...
 
Sendo o Pena Verde uma entidade diretamente ligada à Oxossi não podemos nos esquecer de seu complemento energético que é Obá, um orixá esgotador que atua na racionalidade.
 
Então podemos entender o seguinte quando uma entidade diz ser um Pena Verde:
 
Eu sou um caboclo (trabalhador) que, de forma sutil e na energia de Oxossi, traz o conhecimento até os filhos que buscam por minha ajuda. Conhecimento este que promoverá o sustento do seu campo emocional, colocará seus pensamentos em ordem e assim, estes filhos alcançarão a cura de seus corpos físicos, emocionais e espirituais. Atuo através de magia (sutilidade) no campo astral, combatendo energias densas (criações mentais, resultantes de feitiçarias de magia negra, larvas astrais, etc) e fixando energias de prosperidade, abundância, fertilidade, coragem, etc.... Em análise geral podemos compreender que é uma entidade que trabalha diretamente com a cura e equilíbrio emocional das pessoas, trazendo-as de volta a razão, tirando da cabeça destas pessoas todas as criações mentais que as desequilibram e as adoecem.
 
O Mistério Cobra Coral
 
1 - Toda entidade ligada ao mistério cobra, como por exemplo: Caboclos Cobra Coral, Araribóia, Araúna, Jibóia, Sete Cobras, etc...  Estão diretamente ligadas ao Orixá Oxumaré, ou seja, à energia de renovação. A manifestação natural de Oxumaré é o arco íris que quer dizer que a renovação está presente nas sete linhas (sete cores), sendo assim, podemos compreender que tais entidades transitam naturalmente pelas sete linhas e tem como ponto principal de atuação a renovação.
 
2 - É sabido que a cobra, desde os primórdios, é o símbolo da cura, sendo assim, é comum encontrar tais entidades atuando neste sentido, muitos deles são doutores e atuam através de cirurgias astrais e etc, diferente das entidades de Oxossí que são pajés e atuam através de pequenas mirongas e homeopatia. A cobra também é símbolo de que remete ao conhecimento magístico, fazendo destas entidades grandes feiticeiros.
 
3 - A cobra em si é um animal enigmático, de grande agilidade e periculosidade; astuta em suas caçadas e certeira em seus botes; repulsiva e geralmente venenosas. Sendo assim, podemos entender as analogias como entidades que possuem conhecimento do negativo, das malícias dos seres, das intenções e capacidades e, por esta razão, possuem o "antídoto" contra esse mal (negatividade que paralisa a evolução do ser), trazendo a renovação.
 
4 - A cobra coral, especificamente falando, possui as cores preto, vermelho e branco. O que nos remete à absorção (preto), vitalidade (vermelho) e espiritualidade ou elevação (branco). As entidades atuantes no mistério cobra coral, são as únicas entidades onde a negatividade não as atinge, ao contrário disto, tais energias diretamente direcionadas são absorvidas pela sua "faixa vibracional negra" e transformadas em força.
 
           Sendo assim, podemos compreender que as entidades Cobra Coral podem atuar sob qualquer regência de Orixá.... eles podem se apresentar como sendo de Xangô, Oxossí, Ogum, Obaluayê, etc .... a grande maioria é doutor, promovendo curas astrais e físicas. Grande doutrinadores... porque para renovar é preciso ter conhecimento e métodos para alcançar o objetivo. São também grandes feiticeiros, conhecedores de magias e manipulações magnéticas, quesito primordial para a anulação do negativo destrutivo.
 
            Compreendendo estes mistérios fica fácil entender que os nomes utilizados pelas entidades não se trata apenas de: "Mim, vento que chora" porque quando encarnado era um indiozinho chorão que corria muito e sim, códigos de especialidades, de graus vibracionais e faixas energéticas de atuações. Assim como:
 
- Todo nome que se utiliza da palavra lança, como por exemplo o Caboclo 7 Lanças ou Lança Dourada, estará diretamente ligada ao Orixá Ogum, nos remete à entidades ligadas as linhas de frente de defesa energética, atuando nas batalhas astrais, campos de contenções e barreiras energéticas.
 
- Toda entidade que utiliza no nome o Maria, estará diretamente ligada ao Orixá Oxúm, atuando nos campos emocionais, nas limpezas energéticas dos corpos astrais e ambientes, etc.
 
- Toda entidade que utiliza no nome o Rosa, estará diretamente ao Orixá Iemanjá, atuando com a geração, criatividade, corpos sensoriais e intuições. Geralmente trazem em seu comportamento o estereótipos da mãe que cuida, que chama a atenção, que puxa a orelha, porém, sempre acolhedora.
 
- Toda entidade que utiliza no nome o José, estará diretamente ligado à Xangô, e trará em seu estereótipo o sábio, o conselheiro, o conciliador. Tais entidades atuam principalmente como doutrinadores e direcionadores diante dos carmas assumidos pelos filhos.

- Toda entidade que trás o malandro em seu nome ou na falange de trabalho, não deve receber o olhar repressor ou o adjetivo pejorativo deste nome, afinal de contas, o que é um malandro se não aquele que consegue tirar o melhor proveito das piores situações? E quem melhor para aconselhar alguém diante da adversidade se não um malandro?

            Diante destes exemplos básicos, abrimos caminhos para que os filhos iniciem algumas reflexões a respeito de cada mistério atuante na Umbanda que possam estar ligadas à vocês em seus trabalhos diários. Penas, Pedras, Lanças, Folhas, Flechas, Marias, Josés, Beneditos, Rosas, Tranca Ruas, Lodos, Caveiras, etc.; não são meras analogias, apelidos ou nomes santos, cada um trás em si uma mensagem de quem os carregam.

Abraços e Luz,
Mãe Solange de Iemanjá.





28 de out de 2014

Falando sobre a cachoeira







Resultado de imagem para cachoeira
Como todo pólo natural, a cachoeira não se restringe à uma única energia, ou seja, à um único Orixá. Então vejamos as atuações mais diretas e suas funções dos Orixás ao realizarmos um trabalho de cachoeira:
 
1 Oxúm - Orixá diretamente ligada à cachoeira, a queda d'água que proporciona limpeza do campo áurico livrando àqueles que recorrem à este banho de larvas astrais, parasitas, formas pensamento e miasmas. Todas estas manifestações negativas, geradas pelo comportamento e pensamento das próprias pessoas, ao longo do tempo, culminam em doenças graves e grandes desequilíbrios emocionais que enfraquecem ainda mais as pessoas. Sendo assim, ao tomar o banho de cachoeira, a primeira coisa que acontece são estas limpezas, o que ajudará de forma instantânea o refazimento emocional trazendo maior tranquilidade, esperanças de dias melhores, sensação de alívio e fortalecimento da saúde. Outra função do banho é "desligar ou derrubar" ligações energéticas com obsessores. Ao receber o impacto da queda d'água no chacra causal (nuca), tais ligações são rompidas imediatamente, livrando as pessoas do julgo de irmãos inferiores de baixa vibração.
 
2 Xangô - Toda cachoeira é ladeada por pedras que na verdade são as responsáveis por sustentar a formação das mesmas. A emanação de Xangô neste pólo natural atua diretamente na conservação do equilíbrio emocional ganho durante o banho, sustentando este estado de espírito por dias após o banho realizado. Temos também nestes momentos, a vigência da Justiça Divina para com todos os obsessores que de forma indireta também serão tratados e direcionados conforme seus níveis vibracionais.
 
3 Oxumaré - Que atua no pólo natural localizado logo ao pé da queda d'água. Este Orixá trás as emanações da renovação em todas as vertentes da vida de um ser. É através dessa energia que novos caminhos se abrem gerando oportunidades para novas escolhas e caminhos diferentes impulsionando a evolução daqueles que recorreram à este recurso.
obs: ótimo local para efetuar trabalhos de cura.
 
4 Nanã Burôque  e Ibejí - Que atuam no pólo natural da lagoa rasa que se encontra logo após o poço da cachoeira, ou seja, naquela parte mais rasa onde as águas são mais calmas. Nanã atua decantando todas as negatividades que foram "derrubadas" do campo áurico dos filhos, ou seja, esta energia age como uma espécie de desinfetante e detergente, que dissolve todas as larvas astrais e formas pensamentos. Já Ibejí, reafirma a energia de renovação de Oxumaré, trazendo alegria de viver e esperança para recomeçar.
 
5 Oxossí - Como toda cachoeira se localiza nas matas, as energias emanadas de Oxossí colaboram diretamente nas curas dos corpos astrais daqueles que fazem o banho, refletindo tal cura no plano físico em poucos dias. As águas das cachoeiras são repletas da contra parte etérea das ervas medicinais existentes na mata, que são potencializadas através do movimento das águas, atuando de forma rápida e eficaz nos corpos astrais e campo áurico dos filhos.
 
6 Ogum Rompe Mato - Orixá das matas que garante a ordem e o perfeito funcionamento de todas energias operantes neste pólo natural através de suas falanges de guardiões. Como por exemplo:
 
Exú Tranca Ruas - Senhor de todos os caminhos e guardião de todos os lugares, que atua direcionando e encaminhando todo irmão em condições de negatividade.
 
Exú Capa Preta - Senhor da mata que garante a defesa e a manutenção da prosperidade  e sustentação deste pólo natural. Atua também no auxilio à Exú Tranca Ruas, "atravessando", os espíritos inferiores, pelas matas até alcançarem seus destinos, conforme seus merecimentos.
 
Exú do Lodo - Senhor da paralisação. Especializado em paralisar e esgotar emocionais desequilibrados. Atua diretamente ligado à Nanã Burôque, na parte da lagoa e às margens do rio, garantindo assim, que àqueles que foram desligados de seus obsediados não fujam e cumpram seus destinos.
 
Como puderam notar há uma sincronia impressionante para se manter a engrenagem perfeita da natureza à favor dos seres que buscam se integrar à ela e, esta é apenas uma pequena amostra da perfeição Cósmica, pois sabemos que existem muitas outras ligações energéticas e falanges de trabalhadores que atuam nestes trabalhos.
 
 Abraços e Luz,
Mãe Solange de Iemanjá

22 de out de 2014

Gravidez indesejada, aborto e suas consequências!






          A Terra em seu ciclo evolutivo passou por várias etapas, desde um planeta extremamente primitivo à transição planetária, que bate a porta fazendo assim a separação do joio do trigo.
            Não se deixem enganar pelo astral inferior,  a mãe Terra e seus habitantes evoluíram muito, tanto no plano físico como astral.
            Dentro desta jornada há os compromissos de reencarnações agregando núcleos familiares para novas oportunidades evolutivas. Em um ciclo de encarnes e desencarnes como verdadeiras oportunidades de harmonização e aprendizado.
            Mesmo quando um encarnado aceita receber em seu lar um espírito, de igual patamar evolutivo ou não que de alguma forma não tem histórico cármico com sua família há um planejamento e um trabalho em conjunto para o acolhimento deste, sempre dentro de um fluxo positivo para o processo evolutivo.
            Sendo assim, se uma determinada mulher, entre todas as possibilidades de escolha, respeitando sempre seu Eu superior que esta pré destinada á gerar um filho aos 25 anos, o mesmo se encontrará no plano astral sendo preparado para nova oportunidade.
            Digamos então, que supostamente, essa mesma mulher resolva iniciar sua vida sexual aos 14 anos e, mesmo diante de todo conhecimento recebido à respeito de prevenções, inconseqüentemente engravide. Será que ela receberá em seu ventre aquele espírito que já estava predestinado?  Muito provavelmente não. Possivelmente receberá em seu ventre como filho um espírito que está aguardando oportunidade de reencarne sem que este tenha vínculo familiar, pois o mesmo, devido ao atraso em seu estado evolutivo, se perdeu de suas origens e aguarda nova oportunidade compulsória, ou seja, sem o direito de escolha. E são nestas oportunidades inesperadas que o processo reencarnatório encontram condições para trazê-los à vida física, afinal, não se pode negar oportunidade àquele irmão que se encontra na ignorância
            O casal poderá dizer: Não escolhemos engravidar!
            Porém, tinham ciência que o ato sexual gera vida! Sendo assim, ao praticá-lo sem tomar medidas preventivas, os protagonistas aceitam á concepção através de sua ação.
            Mesmo uma escolha aparentemente prejudicial aos seus olhos imaturos poderá sem dúvida trazer-lhes o desenvolvimento evolutivo.
            Tudo o que você desarmonizar em algum momento de tempo ou espaço você receberá a oportunidade de harmonizar.
            Espíritos que a muito estão nas trevas da ignorância recebem a oportunidade de uma encarnação compulsória e ao adentrarem em contado com o físico terem suas memórias apagadas recebendo assim, o acolhimento em um útero materno após séculos de escuridão e frieza emocional. Ao se aconchegar ao útero começam a recuperar um resquício de humanidade.
            Porém, o pior esta por vir! A imaturidade daqueles que deveriam protegê-los e direcioná-los, escolhem dar fim àquele filho que seria um fardo, um problema. Os pais, em questão, não têm idéia que já houve a ligação energética, entre eles e o espírito reencarnante, que vai além da matéria gerando assim um carma.
            Como toda ação tem uma reação, o peso do remorso aliado ao ódio do filho desprezado e mutilado pelas trevas da ignorância faz com que este Ser recupere agora seus instintos mais primitivos e, em sua memória se encontrará o desejo de vingança por ter sido desprezado.
            Desta equação remorso X vingança nasce uma simbiose que poderá ressonar e alterar o fluxo das vidas de seus pais apesar deste espírito ter sido acolhido novamente pelo plano astral.
            Mas onde está Deus que não me perdoa? Pois a muito me arrependi desta insanidade, ato que cometi quando muito jovem.
            Ele está contigo sustentando suas dores na hora da colheita do fruto amargo que escolheu plantar, te direcionando para a harmonização de seus atos. Pois é a fonte primária de todos os filhos.
 
Mãe Benedita do Congo.
Pela médium: Mãe Pequena Solange Villela





6 de out de 2014

Sérgio Felipe de Oliveira - Fenomenologia Orgânica e Psíquica da Mediuni...




Olá amigos,


         Em matérias anteriores estavamos postando textos baseados nas palestras do Dr. Sergio F de Oliveira, como encontrei as mesmas no youtube, estamos compartilhando os vídeos e assim todos poderão estudar de forma mais completa.
          As palestras são ótimas e com toda certeza vale a pena assisti-las com atenção para aprimoramento dos estudos em relação a mediunidade.


Abraços e Luz,
Mãe Solange de Iemanjá

Sérgio Felipe de Oliveira - Fenomenologia Orgânica e Psíquica da Mediuni...


Sérgio Felipe de Oliveira - Fenomenologia Orgânica e Psíquica da Mediuni...


3 de out de 2014

O Equinócio da Primavera






A primavera é conhecida como estação das flores, que nos remete a alegria, ao novo, às cores, ao amor e a tudo que é bom e precede o verão .
Já conhecemos a informação de que nosso corpo físico tem a mesma constituição do planeta Terra, e assim acontece com as Estações do Ano. (para melhor compreensão recomendo releitura do texto. http://www.tucal.com.br/2012/04/as-sete-linhas-da-umbanda-e-o-corpo.html) 
As estações do ano ocorrem devido à inclinação do eixo de rotação da Terra, e, pelo movimento da Terra ao redor do Sol, o que faz com que os raios solares sejam recebidos de maneira diferente no planeta.
O hemisfério que recebe mais luz solar que o outro está no verão.
O nome do início do verão e inverno recebe o nome de solsísticio, e ocorre quando a Terra está nos dois pontos mais distantes na órbita do Sol.
Já nas duas ocasiões onde os dois hemisférios recebem a mesma luminosidade, ocorrem o Outono e a Primavera.
O nome do início do Outono e da Primavera recebe o nome de equinócio, e ocorrem quando a Terra está em um dos pontos mais próximos do Sol em sua órbita, conforme bem ilustrado na imagem abaixo:




O equinócio foi celebrado por muitas culturas através da história: festivais para Hathor no Egito, Afrodite em Chipre, Eostre na Escandinávia, Olwen na Bretanha.


Como tudo e todos estamos interligados em meio a rede energética no Planeta, inclusive nos  interpenetrando em várias dimensões, é interessante refletir sobre o assunto suas implicações energéticas em nosso corpo físico, astral e emocional de acordo com o que estudamos na Umbanda.


Assim, com a igualdade de luminosidade no planeta devido ao Equinócio da Primavera, resulta no equilíbrio das forças da natureza, resultando num momento propício a fortalecer a energia de complementaridade entre homem e mulher, entre nossa dualidades, entre nosso emocional e racional.
Podemos ainda comparar os hemisférios do planeta, com os hemisférios de nosso cérebro, e assim, esse período do Equinócio também pode favorecer e potencializar o equilíbrio entre os hemisférios direito e esquerdo do nosso cérebro, auxiliando para que ambos trabalhem juntos em harmonia, resultando em nosso equilíbrio entre a razão e emoção, facilitando novas sinapses para melhor organização de nossos conhecimentos em prol da nossa evolução.









Como estamos abordando especificamente o Equinócio da Primavera, não há como deixar de observar que esse período coincide na Umbanda, com o mês de  comemoração ao Orixá Ibejí (sincretizado a Cosme Damião), pertencente a Linha Telúrica, que é uma das 7 linhas da Umbanda, que emana vibrações de amor, pureza, inocência e alegria de viver.
Os erês na tríplice da Umbanda (erês, caboclos e pretos velhos), correspondem ao nascimento, ao início da vida, à fase criança da pureza, do novo e da esperança.
Então, nessa Estação do ano no hemisfério sul do planeta, a energia natural emanada,  indica que é o momento de plantar e cultivar nossas sementes, deixar brotar o nosso melhor e aquilo que nosso Eu anseia.
Um momento propício para entramos em contanto com a alegria que existe em nosso interior, nos encorajando às novas decisões e atitudes para concretização de nossos anseios existentes no Eu.
Eis o momento oportuno para permitirmos o germinar de nossas sementes!
Independentemente de nossa vontade, as Estações do ano mudam de acordo com os ciclos da natureza e assim acontece em nós, eis que o nossos corpos são influenciados por tais mudanças e evoluem obedecendo  a Lei  Cósmica da Evolução. Sendo assim, podemos compreender que mesmo de forma inconsciente, o equinócio da primavera nos impulsionará ao novo, à novas escolhas que colaborarão com o processo evolutivo.
Assim nascemos, crescemos, amadurecemos, chegamos a velhice e desencarnamos, retornando a um estado de preparo a um novo renascer e assim segue o fluxo da vida.
No aspecto físico, não adianta tentar retardar o envelhecimento, já que ele chega independentemente de nossa vontade, fazendo parte da ordem natural da vida, ir contrário a essa situação só resulta em dor, já que tentamos agir em desacordo com a lei natural da vida.
No aspecto emocional, retardar e fugir das situações de aprendizado que vivemos a todo momento, resultará em angústias, medos, ansiedades, dor e desamor. Eis aqui a importância do alerta deixado por Jesus: "Ame o teu próximo como a ti mesmo". O amor próprio está diretamente ligado à aceitação do fluxo natural da vida com todos seus aprendizados e fases.
Agir de forma natural e em sintonia ao fluxo da vida e evolução que se desenvolve naturalmente de acordo com as estações do ano, com os fluxos energéticos do planeta, resulta em assimilar os aprendizados de acordo com as mudanças naturais em nosso ser, que resultará no equilíbrio entre nossas forças, do nosso universo interior com o exterior.
O caminho da sintonia com a nossa natureza, é saber vivenciar aceitando os nossos ciclos: os momentos de plantio e germinações de nossas sementes (primavera), a colheita e esplendor do calor e da Luz com a concretização do nosso plantio, retornando  do Sol, com fertilização para a vida (verão), o recolhimento e início do declínio (outono), e a morte, o fim de ciclo com o  preparo da terra para um novo período de plantio, onde há a transmutação as mudanças em nosso caminho, onde o velho morre para surgir o novo (inverno).
E assim a vida segue, onde pedimos ao nosso Pai Oxalá que nos abençoe com a oportunidade de sintonizar e vivenciar esse ciclo de alegria e germinação de nossas sementes com muito Amor.
 
Muito amor e luz,
Mãe pequena Aline Bizotto e participação de Mãe Solange de Iemanjá.


 


Fontes consultadas:


http://www.tempoagora.com.br/estacoes-do-ano.php


Apostila Tucal – autora Solange Costa, 2013.