5 de jun de 2014

Instinto X Eu Superior








          Dando continuidade aos nossos estudos pudemos compreender que ao derrubarmos nossas máscaras conseguimos enxergar as faces do nosso mental inferior que ao, enganosamente nos transmitir a sensação de proteção, na verdade boicotam nossa evolução gerando diversas situações de conflitos e discórdias.
            Compreendemos também que é no corpo mental inferior que ficam registrados todos os conceitos e preconceitos sociais passados pela família e convivência social, nossas inseguranças emocionais, facetas adquiridas conforme questões vividas particularmente em vidas passadas e ainda os registros do inconsciente coletivo captados através do corpo sensorial.
 
            Ter uma auto avaliação verdadeira nos ajuda a identificar com maior clareza o que somos e o que é interferência externa. Nesta prática podemos nos lembrar do grande ensinamento deixado por Jesus, onde disse: Orai e Vigiai. Orai, nada mais é do que estar ligado ao mental superior (nossa centelha Divina, onde os registros da perfeição e do correto estão gravados) e o Vigiai é constantemente se auto avaliar para não cairmos nas armadilhas causadas por nossas máscaras e inconsciente coletivo. Neste ponto avaliamos com determinação nosso grau de ego, orgulho e vaidade.
 
            Nesta fase ficou claro que tudo aquilo que enxergamos no próximo, que nos incomoda, irrita, indigna, etc., trata-se de uma faceta que temos em nós, escondida por nossas máscaras, ou seja, ficamos incomodados com o nosso espelho. Ponto que deve ser trabalhado e compreendido.

            As máscaras, são criadas de forma ilusória do que na verdade gostaríamos de ser onde imaginamos convencer terceiros. Nesta fase pudemos perceber que elas, as máscaras, na verdade enganam muito mais à nós mesmos do que a terceiros, que por estarem fora de todos nossos conflitos emocionais e espirituais, nos avaliam o tempo todo pelos nossos atos (que refletem verdadeiramente quem somos) e não por nossos discursos elaborados para nos fazer melhores do que realmente somos.
 
            Um exemplo do que estamos tentando explicar, está clara nesta era digital, onde notamos nas redes sociais inúmeros posts que desmascaram o ser, sem que ele próprio perceba este fato. Exemplo: Percebam que todos os que postam: Odeio falsidade, são as pessoas mais falsas que conhecemos. Detesto fofocas, são os mais fofoqueiros e assim por diante. O que não percebemos conscientemente é que todos os dizeres que nos chamam atenção é por estar diretamente ligados ao que somos.
 
            Na verdade, as pessoas de forma inconsciente se identificam com estes posts porque os revelam em seu íntimo e, igualmente de forma inconsciente, condenam a si mesmos porém, com a ilusão de que estão falando para terceiros que são seus espelhos.
 
            Parte dos nossos estudos incluiu o ponto de maior força ou qualidade que trazemos no nosso eu. Foi solicitado que todos parassem por alguns minutos e sentissem o que há registrado no âmago, qual a face que é sentida com a alma, para identificar esta força ou qualidade, traduzida em apenas uma palavra. Devido a individualidade do ser, os resultados foram vários adjetivos nos quais cada um se auto qualificou.
 
            A questão para se chegar neste resultado é muito simples: Diga em apenas uma palavra, após sentir na sua alma, qual é a sua maior qualidade ou força.
 
            Obtendo este resultado conhecemos, sem preocupação de erro, uma face de nossa personalidade, onde se apresenta com maior ênfase o que trazemos no nosso positivo porém, também aprendemos que tudo o que possuímos no positivo, temos na mesma intensidade esta faceta no negativo. Exemplo: Uma pessoa que se auto  denomina amorosa, qualidade que está impressa em seu mental superior, quando se encontra em desequilíbrio tende a ser extremamente grosseira e egoísta (faceta negativa registrada em sua personalidade.
 
            Sendo assim, estamos caminhando com firmeza o caminho das pedras que nos ensina verdadeiramente como proceder o auto conhecimento para derrubarmos nossas máscaras em busca do aprimoramento intelectual, emocional e espiritual, ou seja, estamos aprendendo de fato como trabalhar a tão famosa reforma íntima.
 
            Estamos vivenciando a era da transformação e o chamado de urgência em se aprimorar pipoca em todas as vertentes que lidam com o aprimoramento do ser. Seja através de grupos espiritualistas, espíritas, esotéricos, estudiosos do ser, etc. A mensagem é uma só, sendo assim, temos por obrigação fazer a nossa parte. Afinal, ninguém pode dar aquilo que não possui e se desejamos um mundo melhor só alcançaremos isto trabalhando nós mesmos. Compreender que ninguém tem o poder de modificar ninguém faz parte deste esclarecimento consciente, o ser só tem o poder de modificar seus próprios atos e isto sim irá intervir no meio onde vive.
 
            Diante do exposto, esperamos ter conseguido passar uma mensagem de encorajamento para se auto avaliar com garantia de uma vida melhor para todos.
 
Abraços e Luz,
Mãe Solange de Iemanjá


Um comentário:

  1. Que assim seja! Vamos com coragem e determinação pois é certeza que a colheita será bem melhor!!!

    ResponderExcluir