11 de jun de 2013

COISAS DE TERREIRO... a roupa de cordeiro



A roupa de cordeiro.

Muitos filhos de fé, ao chegarem no terreiro é como se houvesse um vestiário onde literalmente trocam a pele do lobo pela pele de cordeiro durante as poucas horas que permanecerão ali, esquecendo que com este procedimento enganam exclusivamente à eles próprios.

Os guias nos ensinam que tudo é energia, incluindo os seres humanos, e que aquele conceito utópico que ao adentrar numa corrente mediúnica que todos se transformarão em anjos de candura amando uns aos outros é impossível dentro do grau de evolução em que nos encontramos. Nos lembram também que energias iguais se atraem e ao encontrar com uma pessoa que trás em si uma energia completamente oposta a nossa, imediatamente nos causa a reação de antipatia. Até este ponto estamos abordando exclusivamente do fluxo natural da vida e temos que nos lembrar que ainda temos os graus evolutivos individuais que podem trazer a tona a inveja, o despeito, a maledicência, o egoísmo e etc etc etc...

Diante do exposto, os guias nos orientam da seguinte forma: - Ninguém espera que vocês alcancem a angelitude e, nem muito menos, que ignorem seus sentimentos porém, é imprescindível que haja o respeito uns com os outros e a boa vontade de conhecer e compreender seu próximo. Que tudo aquilo que nos afeta de forma negativa ao observar o próximo, ou seja, tudo aquilo que condenamos e que nos irrita ao observar um irmão é exatamente o que somos.

Nestes momentos temos que lembrar que nos irritamos justamente porque estamos diante do nosso espelho que está se expondo na figura do irmão e que tal conduta que nos afeta é o que mascaramos e tentamos esconder de nós mesmos. Enfim, ninguém reconhece aquilo que não possui.

Outro ponto muito comum é a indisciplina e a resistência em acatar os fundamentos e moral adotados pela casa em que nos encontramos. Ao adentrar na corrente todos tomam ciência de tais condições porém, no decorrer do dia a dia, muitos resistem em seguir conscientemente tais disciplinas que se comprometeram em acatar quando fizeram a escolha de ingressar na egrégora daquela casa. Hoje em especial, temos as redes sociais onde geralmente constatamos as máscaras caindo, onde podemos notar com clareza o lobo que cada um trás em si. Alguns espertinhos, incluem postagens bloqueando os irmãos da corrente para que não tenham consciência de suas transgressões porém, tais condutas sempre caem por terra, sempre há o momento em que o bloqueio não funciona, que um outro alguém que não está incluso neste bloqueio comente a respeito, enfim, a farsa dura pouco. Os médiuns, necessitam adotar uma postura adulta e consciente e compreender que a melhor lição é o exemplo, que ao tentar enganar seu dirigente e seus irmãos de corrente em relação a sua conduta está enveredando por um caminho de ilusão e acima de tudo provando sua pouca fé, porque realmente eles podem conseguir enganá-los durante determinado tempo mas, da espiritualidade ninguém se esconde e tais situações com toda certeza será desmascarada exatamente no momento em que a espiritualidade julgar necessário. E ter consciência que nossa indisciplina e má conduta irá malucar a integridade da casa a qual pertencemos e principalmente a Umbanda.

Outro ponto muito recorrente em grupos, seja ele de qualquer seguimento, são as fofocas, intrigas e maledicências. Neste quesito penso que não preciso nem fazer uma avaliação dos que agem de tal forma, apenas desejo ressaltar e alertar à todos que se encontrar numa situação onde um irmão vem maldizer o outro que naquele momento ele estará falando do outro e na sua ausência poderá estar falando de você, sendo assim, cabe à você que realmente trás em seu coração o desejo de buscar por sua melhora íntima não fomentar e não compactuar com tal atitude se recusando a ouvir o que normalmente é relatado de forma distorcida e maldosa.

Todos temos a capacidade e inteligência de tirar nossas  próprias conclusões, não precisamos que ninguém venha vestido de pele de cordeiro, como se quisesse nos alertar de algo mas que na verdade é um ato maldoso com o intuito de denegrir um irmão ou a casa onde estamos! Lembrem-se que aquele que tem um olhar crítico de forma salutar, busca a própria pessoa para alertá-la de alguma eventual deficiência em sua conduta e não um terceiro para fomentar discórdia e dúvidas da conduta e moral da pessoa.

Em uma casa séria e comprometida com a moral ensinada por Jesus e a espiritualidade, não permite e não é condizente com tais posturas, tem em seus dirigentes uma pessoa diuturnamente atenta para tais situações, conscientes das falhas humanas, disciplinando e orientando todos aqueles que se encontram com tais deficiência conduta. E sendo tal dirigente realmente comprometido com a moral e conduta reta, todas suas limitações, são supridas pelo trabalho da espiritualidade que trará ao seu conhecimento, de uma forma ou de outra, tudo aquilo que possa denegrir a casa que dirige ou fomentar discórdia em sua corrente.

 Resumindo o tema:

- Lembre que se uma pessoa fala mal de alguém para você, no amanhã você poderá ser o assunto dela com outro. Tais pessoas só precisam encontrar um que o ouça!

- Todos temos nossas deficiências porém, todos nós também temos nossas qualidades e inteligência para tirar nossas conclusões por nós mesmos não nos deixando ser influenciados por opiniões alheias.

- Que o verdadeiro médium que é comprometido com a missão que escolheu e adotou como filosofia de vida, possui exatamente a mesma conduta dentro e fora do terreiro.

- Que nossa postura e nossos exemplos são o espelho da casa a qual adotamos como nossa em nossos corações e da Umbanda.

- Que uma pessoa que não assume uma conduta moral reta nunca conseguirá se ligar à espíritos elevados e será presa fácil para os zombeteiros e espíritos maldosos que primam por derrubar por terra a egrégora da Umbanda.

- Que o terreiro não é um conto de fadas, você terá que conviver com pessoas que te causam antipatia porém, seu comprometimento o fará respeitá-las e ter com as mesmas um bom convívio social.

- Que a convivência com pessoas que conflitam com nossos conceitos é justamente uma grande escola que nos levará a aprender na prática a respeitar o livre arbítrio e o grau evolutivo de cada um, da mesma forma que somos tratados pelas entidades atuantes na Umbanda além de reconhecermos em nós mesmos o que nos incomoda no irmão.

- E mais uma vez, lembrar que foi você que se dispôs e escolheu a casa que trabalha, que seguir as regras é uma questão de comprometimento e verdade com você mesmo em sua busca interior, que ser indisciplinado, não adotando uma postura reta e tentar enganar seu dirigente e seus irmãos, só prova sua falta de fé na espiritualidade que atuará para esclarecer sua postura incorreta. Ter em mente que sem esforço, nunca conseguiremos sair do vício que a sociedade nos condiciona em termos de futricas, discórdia e intrigas. E se você faz parte deste grupo de pessoas que pensam que podem enganar a espiritualidade, eu aconselho que reveja seus conceitos e que busque outro seguimento para sua vida pois, na Umbanda você não encontrará espaço para tal conduta.

- Que se você não der a chance de conhecer o lado bom daquele irmão que lhe causa antipatia, estará atraindo para si a mesma faixa vibracional e vai se deparar exatamente na mesma situação onde outras pessoas da mesma forma não estarão dispostas a conhecer seu lado bom. Lembrem-se, ninguém é de todo o mal e nem de todo o bem, cabe a nós conseguir atrair um destes lados com as nossas atitudes.

- E finalmente lembrar que de nada adiantará vestir a pele de cordeiro ao adentrar no terreiro se é o lobo quem você alimenta diariamente!

Abraços e Luz,
Mãe Solange de Iemanjá

Nenhum comentário:

Postar um comentário