13 de jun de 2013

COISAS DE TERREIRO.... gregos e troianos




Gregos e Troianos.

            É comum quando as pessoas participam dos trabalhos na assistência, acharem tudo lindo e maravilhoso porém, ao adentrar na corrente iniciam um processo de insatisfações e de desejos de modificações na estrutura disciplinar adotada pelo terreiro.

Sendo assim, deixaremos alguns tópicos para se refletir:

            - Queremos antes de tudo alertá-los que onde há um grupo de pessoas, agradar a gregos e troianos, é simplesmente impossível.

            - Um filho da corrente jamais estará de posse de todas as informações referente as necessidades da casa e de todos os seus participantes, informações estas, que são exclusivas da direção. Sendo assim, o que vemos normalmente é um desejo de mudanças tendenciosas que agradará e atenderá principalmente seus próprios anseios.

            - Toda e qualquer resolução disciplinar adotada pela direção de um terreiro, normalmente se dá levando em consideração o bem da maioria, as necessidades da casa e o mais importante, enquadradas dentro dos fundamentos morais e disciplinares passados pela espiritualidade que dirige e orienta a mesma. Portanto, é imprescindível compreender que toda decisão é tomada baseando-se em uma visão global para que possa suprir da melhor maneira possível as necessidades apresentadas pelos filhos e pela casa.

            - Compreender que viver de forma disciplinada, nada mais é do que adotar uma forma inteligente de se levar a vida. Afinal, para que se chegue a um ponto disciplinar, necessariamente já se experimentou outras formas que não apresentaram resultados satisfatórios, ou seja, geralmente a conduta disciplinar adotada é um resultado positivo após várias tentativas frustradas.

            - Ao contrário do que muitos imaginam, a vontade de um dirigente normalmente é a última a ser satisfeita. Toda casa que adota uma postura reta e comprometida obedece à uma sequência de quesitos para adotar uma regra disciplinar que será imposta à todos, que são:

            1 - conservar-se dentro dos padrões dos ensinamentos e direcionamentos recebidos do plano astral.

            2 - visar o bem comum o qual deverá atender as necessidades e anseios da maioria.

            3 - visar as necessidades para o bom funcionamento da casa.

            4 - e só então, após atender todos os quesitos acima, é que a vontade de um dirigente poderá ser levada em consideração se estiver de acordo com as demais necessidades.

            Geralmente estes posicionamentos visionários se dão na grande maioria das vezes por principiantes que ainda não possuem uma consciência do fluxo necessário para se manter de forma regrada e disciplinada que uma casa necessita. Por esta razão e, porque não dizer, por esta imaturidade em relação as necessidades reais de um terreiro, apresentam soluções utópicas imaginando que tudo ficará perfeito caso sejam adotadas.

            Diante do exposto acima, queremos apenas salientar que na maioria dos casos toda casa já experimentou diversas formas para se regar ponto a ponta conforme suas necessidades e somente após vários fracassos é que se alcançou algo mais próximo do que seria o melhor. Que é necessário abrir mão das vontades individuais pelo bem comum e acima de tudo, compreender que tudo é decidido com base numa visão global.

            Neste tópico, acho oportuno deixar um direcionamento que nos foi dado pelo Caboclo Cobra Coral:

            - O terreiro nunca vai mudar ou parar para atender um filho porque ele assim o deseja porém, o terreiro sempre irá mudar e parar para atender um filho quando ele realmente necessitar.

Abraços e Luz,
Mãe Solange de Iemanjá

Nenhum comentário:

Postar um comentário