29 de jun de 2013

COISAS DE TERREIRO... agora sou filho de fé




            Depois da busca pela casa ideal, depois de avaliar o ambiente e seus componentes, finalmente é chegada a hora de tomar a decisão e fazer parte do corpo mediúnico.

            Este é um momento de grande ansiedade e felicidade. Para alguns, a emoção se equipara ao dia do casamento, afinal, trata-se de uma decisão muito importante que com certeza mudará e influenciará toda sua vida.

            Não podemos nunca nos esquecer de que fomos nós quem foi buscar a casa e que fomos nós que decidimos fazer parte da mesma. Esta lembrança será muito útil nos momentos delicados, onde nosso orgulho, ego e vaidade estiverem sendo forjados pelas disciplinas necessárias ao preparo de um bom médium.

            A primeira sensação maravilhosa ao entrar para uma corrente é o sentimento de acolhimento que nos é dado tanto pelo plano espiritual como pelo corpo mediúnico da casa e a segunda é sentir que nunca mais estaremos sozinhos. Sabemos que a espiritualidade não está para resolver nossos problemas e nossas vidas porém, sentimos que em todos os momentos teremos companhia certa, direcionamento e um local para reabastecer nossas energias e forças para enfrentarmos todas as situações difíceis e necessárias que impulsionarão nossa evolução. Infelizmente, alguns filhos de fé não compreendem isto e à qualquer sinal de vicissitudes deixam suas obrigações de lado, se afastam de seus guias e de sua casa que na verdade é seu ponto de força e equilíbrio.

            Quando uma casa é séria e bem dirigida, esta consegue manter, além do nível vibratório para que sejam realizados bons trabalhos espirituais, uma cumplicidade entre seus componentes formando uma família de coração. E assim, a sensação de companhia, companheirismo, proteção e direcionamento são ainda maiores.

            Além de toda importância espiritual que implica esta escolha, tem sobre nós a importância social, onde passamos a ter uma vida compartilhada dentro deste agrupamento tanto em momentos bons como ruins.

            Inicialmente tudo é empolgação que aos poucos vai tomando consciência da seriedade e responsabilidade. É como paixão que com o tempo se transforma em amor seguro e equilibrado. Costumo dizer que quem foi picado pelo bichinho da Umbanda se encanta para o resto da vida.

            Poder estar dentro do Congá, sentir as energias dos guias atuando e estar ligado nesta egrégora é uma das melhores sensações que pode haver. É um momento onde tudo se anula, onde deixamos de ser esposas e esposos, mães e pais, filhos e filhas, irmãos, profissionais e etc., para sermos simplesmente nós, seres individuais com nossos sentimentos mais íntimos rumo a nossa evolução.

Abraços e Luz,
Mãe Solange de Iemanjá

2 comentários:

  1. Muito bom o texto Sol, se torna esclarecedor para quem inicia e realmente funciona desta forma mesmo.
    Por isso que digo com muita paciência todos chegaremos lá.
    E nós amigos e irmãos sempre aqui a disposição.

    beijos,

    Cris

    ResponderExcluir
  2. Saravá! Malê! Axé!

    ResponderExcluir