NOSSA CASA

29 de jan. de 2013




Fumo, Bebidas, Ervas e afins...
 
         Hoje falaremos um pouquinho sobre os materiais de trabalho nos terreiros de Umbanda.
         É comum vermos nos terreiros de Umbanda, guias solicitando materiais como: Charutos, cigarros, ervas, flores, pinga, essências, pedras, etc...
         Porém, também é comum vermos em algumas casas a proibição da utilização dos mesmos ou parte dos mesmos, com maior ênfase aos cigarros e bebidas alcoólicas. Geralmente a justificativa para tal conduta é: Aqui não servimos cigarros e bebidas porque desta forma estaremos colaborando para a evolução do guia. Como se os guias fossem viciados e dependessem do vício mesmo pós morte.
         Então fica a pergunta: Estas casas estão se embasando em que fundamento para tal atitude?
         Esta conduta é justificada devido aos estudos da doutrina Kardecista que relata os efeitos das práticas viciosas tanto em encarnados como nos desencarnados. Uma das conseqüências disto é o carma suicida entre tantas outras. A questão é que esquecem-se de que se trata de entidades trabalhadores da Umbanda e não mentores espíritas atuantes em mesas brancas.
         Devemos ressaltar que a doutrina espírita em seus estudos não tinham em foco práticas magísticas, o tempo todo discorriam sobre os vícios no conceito da conduta moral destes processos. Muito tempo depois a entidade que trouxe para o meio Kardecista a necessidade da utilização de materiais para certas práticas magísticas, para promover curas e trabalhos diversos de onde determinadas energias são utilizadas, foi Ramatís e foi por esta razão que ele é visto até os dias de hoje com reservas por muitos espíritas, principalmente em casas conservadoras.
         A razão pela qual tal fundamento espírita é utilizado nos terreiros é que infelizmente ainda não existe uma doutrina fundamental na Umbanda e apenas nos últimos tempos vários médiuns vêem recebendo diretrizes e ensinamentos sobre os trabalhos realizados pelos guias trazendo a compreensão da utilização de materiais e formas de trabalhos. Penso que levaremos mais alguns anos para chegar numa doutrina básica unificadora na Umbanda mas o fato é que estamos caminhando para isso.
         Os guias de Umbanda são mestres em manipulação de energias anímicas e magnéticas, lidam como ninguém com o oculto do ser efetuando grandes mudanças em seus seguidores ao ensiná-los a direcionar suas forças e análise em seu eu. Curam, revigoram, limpam e protegem seus filhos utilizando tais energias durante os trabalhos realizados. É fato que nos tempos atuais, muitas casas espíritas que antes julgavam os guias de Umbanda como espíritos sem evolução, hoje abrem suas portas para os trabalhos realizados por eles, devido a compreensão de que esta linha de trabalho é indispensável devido ao processo evolutivo que passa nosso planeta e ainda me atrevo a dizer que muitos alcançaram a compreensão desta forma de trabalho melhor do que muitos seguidores de Umbanda. Também é fato que muitas práticas e muitos materiais que foram adotados de forma errada ou de forma exagerada também já está sendo eliminadas dos terreiros de Umbanda, como por exemplo as entregas nos pólos naturais.
         Compreendo que é necessário ter o conhecimento da utilização de cada material utilizado para que os mesmos tragam resultados favoráveis e não o contrário disto.
         O contra senso que vejo comumente é a proibição de servir uma entidade incorporada no momento do trabalho para supostamente ajudá-la em sua evolução (afinal de contas tais entidades são viciadas) e em contra partida oferecer os mesmos materiais em entregas nas esquinas, matas, cachoeiras, etc... Muitas vezes até, vemos a prática de vários seguidores da Umbanda ao fazer um churrasco ou uma festa, em um canto qualquer, oferecer bebida alcoólica, carne, cigarros para seus guias e protetores, sendo que em seus terreiros a prática é a proibição.
         Oras, se no momento do trabalho, onde os guias estão lidando diretamente com o plano material e necessitam de determinadas energias para trabalhar, lhes proíbem a utilização destes materiais para não contribuir com o vício de tais entidades, oferecer os mesmos materiais fora do trabalho não seria da mesma forma contribuir para o vício deles?
         Não estou aqui para condenar a prática adotada por ninguém, estou apenas chamando a atenção para o insensato, o que em mentes inteligentes que possuem o hábito de raciocinar é notada com facilidade a incoerência das práticas e ensinamentos passados. Estes atos insensatos recaem como uma peche sobre a Umbanda de forma geral, o que não é justo.
         No Tucal sabemos o porque e para que é utilizado cada material, podemos falar sem receio que a utilização de fumos, bebidas e demais materiais não tem absolutamente nada haver com vícios e conduta moral. Tudo e absolutamente tudo tem uma razão e uma utilização energética específica.
         Temos também o conceito de que se vou a um local buscar evolução, direcionamento e conhecimento como poderei "eu" estar neste local para ensinar e direcionar as entidades? Outra insensatez, afinal, é regra geral que o professor sempre saberá mais que o aluno, vocês não acham?
         Vemos na realidade que grande parte das casas adotam realmente tal conduta para evitar problemas e excessos devidos aos médiuns despreparados. Porém, me atrevo a dizer que isso ocorre muito por conta de tantas casas insistir em manter a farsa do trabalho mediúnico inconsciente. Sendo assim, se o médium é inconsciente a culpa não será dele, será do guia que bebeu demais e o deixou embriagado deixando os dirigentes, diante desta justificativa, definitivamente impedidos de corrigir uma conduta inadequada que claramente foi do médium. Incrivelmente muitas casas não se dão conta do preço alto que pagam por manter essa postura, achando que assim, com médiuns inconscientes, seus trabalhos terão maior credibilidade. A credibilidade vem do saber, vem da eficácia do trabalho, vem da moral e da seriedade dos trabalhadores e disto tenho absoluta certeza.
         A verdade sempre é libertadora, apesar das dores que pode causar. A casa que encara com naturalidade a consciência durante o trabalho mediúnico, pode com naturalidade corrigir erros cometidos pelos médiuns sem comprometer o nome dos Guias ou da Umbanda.
         Outra razão é o comodismo dos dirigentes que preferem simplesmente proibir o trabalho dos guias do que corrigir seus filhos, numa tentativa de não entrar em confronto com vaidades e egos dos médiuns atuantes em sua casa. Esquecem-se que a Umbanda trabalha dia a dia na prática de transformar os médiuns e seus seguidores numa pessoa melhor, mais consciente de sua missão e mais consciente da vida e isto implica sim, em confrontá-los com seus egos, com suas vaidades e com seus orgulhos e só assim a lição será realmente aprendida.
         Como sempre e como em qualquer setor é muito mais fácil deixar passar ou proibir do que educar porém, as consequências desta postura são desastrosas. Que tal pensarmos nisso???

Abraços e Luz,
Mãe Solange de Iemanjá
29.01.13

16 de jan. de 2013




Plânctons ou Estrelinhas de Iemanjá?

          Devido ao meu post no face, no final do ano e a grande algazarra feita pelos filhos do TUCAL recebi vários emails e mensagens pedindo explicações sobre o que eram as estrelinhas de Iemanjá. Alguns me perguntaram se por um acaso não se tratava de plânctons, sendo assim, resolvi fazer esta matéria.

         Na realidade o que produz bioluminescência não são os plânctons e sim os fitoplânctons através de um processo bioquímico onde ocorre a oxidação da proteína Luciferina. Trata-se de uma alga responsável pela luminosidade de pontos azul esverdeados tanto nas areias como nas águas, visíveis por todas pessoas podendo até ser fotografados.

         As estrelinhas de Iemanjá nada mais é que a manipulação energética astral do ectoplasma misturado ao elemento àgua que geram pontos de luz porém, por se tratar de energia astral sua visualização dependerá da mediunidade de cada um. Por esta razão estes pontos são vistos por alguns na cor dourada, por outros coloridos e pela grande maioria em tom branco azulado (neon). O tamanho também é variado, algumas chegam a ter o tamanho de uma moeda de um real e outras são tão pequenas como o guitler, ao contrário dos fitoplânctons que não alteram seu tamanho. Por se tratar de energia elas simplesmente vão se multiplicando e explodindo. Para maior compreensão podemos comparar estas explosões com as bolhas de sabão.

         Os fitoplânctons por se tratar de um fenômeno físico é visualizado por qualquer pessoa que esteja no local que as mares os tragam, já as estrelinhas por se tratar de energia astral em um grupo de pessoas muitos conseguem visualizá-las e outros tantos não. O equilíbrio emocional e o desbloqueio do chacra frontal ajuda muito para que o filho de fé consiga vê-las, por esta razão que é escolhido o momento de mostrá-las após o banho de descarrego ser realizado.

         Os fitoplâncitos são perceptíveis apenas a noite e no mar ao contrário das estrelinhas energéticas que podem ser vistas durante o dia e também nas cachoeiras.

         É válido ressaltar que como tudo que vem do astral e da espiritualidade, gera um sentimento forte de incredibilidade e polemica que só muda diante da constatação pessoal. Tinha em minha própria corrente filhos que vieram de outras casas que nunca haviam visto as estrelinhas e que achavam "essa conversa" uma balela até o momento que viram com seus próprios olhos esta manifestação energética maravilhosa. Posso dizer que neste momento se transformaram em crianças eufóricas diante da beleza das estrelinhas de Iemanjá.

         Enfim, fitoplânctons não tem absolutamente nada haver com as estrelinhas de Iemanjá e eu adoraria estar numa praia no momento em que as correntezas trouxessem os fitoplânctons, fenômeno natural que nunca tive a oportunidade de presenciar e que são com certeza um espetáculo da natureza, para se unir ao espetáculo astral das estrelinhas de Iemanjá. Seria sem sombra de dúvidas um momento inesquecível. Enquanto isto não acontece, vou prazerosamente presenciando o espetáculo astral que a Umbanda nos proporciona, aguardando o dia em que os fitoplânctons se encontrem com as estrelinhas de Iemanjá.

Abraços e Luz,
Mãe Solange de Iemanjá
 

obs: vocês poderão constatar, lendo os comentários da matéria, que as estrelinhas trata-se realmente de manipulação energética astral e que depende da mediunidade de cada um a capacidade de vê-las e a forma como as vêem. Todas as pessoas que comentaram estão se referindo ao mesmo dia de trabalho, que foi em dezembro de 2012.

13 de jan. de 2013

Oxossí





As portas dos terreiros se abrem...
Após o período de festas e férias, normalmente os terreiros retornam aos seus trabalhos reabrindo suas portas com a homenagem à Oxossí. A data comemorada é dia 20 de janeiro.
Conhecido como o Orixá da matas é sincretizado em São Paulo e outras regiões pelo santo católico São Sebastião. Acredito que a necessidade de ressaltar que Oxossí não é São Sebastião se faz necessária. Tendo a origem do sincretismo ocorrido nos tempos idos das senzalas, onde os negros escravos foram obrigados a se catequizar (se converter à religião Católica), para que pudessem dar continuidade ao culto de seus Orixás questionaram os padres sobre as vidas de seus santos católicos buscando pontos e comum com os Orixás. Ao encontrar estes pontos em comum entre os Orixás e os Santos Católico faziam o sincretismo. Aos poucos foram esculpindo em madeira os santos católicos deixando o interior das estatuetas ocos onde colocavam o Axé do Orixá correspondente aquele santo e assim, um por um, formavam altares aparentemente católicos no interior das senzalas e desta forma oculta davam continuidade ao culto dos Orixás. É por esta razão que até nos dias de hoje a expressão "Santinho do Pau Oco", tem a conotação de falsidade, de enganação.
Oxossí tem a cor verde em sua representação devido esta cor estar ligada à cura e a natureza. Nos terreiros é comum ocorrer curas através da aplicação da cromoterapia (através do uso das velas), através das receitas de chás e tratamentos utilizando as ervas e as frutas e através de cirurgias astral realizadas pelos trabalhadores desta linha.
Durante muito tempo acreditou-se que Oxossí era um índio, forte, bravo guerreiro, que habitava às matas e que em seu habitat tinha em seu poder o controle da fauna e flora. Ficava uma idéia de que Oxossí ficava restrito à essa área de atuação.
Graças a Bondade Divina, tudo evolui portanto, hoje alcançamos a compreensão de que Oxossí é uma energia sustentadora da vida no nosso Planeta, através desta energia que é manipulada e direcionada pelos Regentes Planetários, alcançamos sim, o equilíbrio da fauna e flora, fonte inesgotável de alimentos, remédios, diversidade de plantas e animais para que haja equilíbrio ambiental. Desta forma, de anti mão, podemos perceber que Oxossí não está restrito à matas, que sua área de atuação não é apenas as florestas. Está energia abrange toda forma de vida esteja ela onde estiver. Oxossí é a energia que emana a fase do crescimento, o vigor físico, a saúde e a disposição. A representação de armas de Oxossí é o arco e a flecha, justamente por ser instrumentos confeccionados com elementos naturais e também devido a velocidade da flecha, que representa muito bem a agilidade emanada desta energia.
Da mesma forma é sustentador da razão e do conhecimento. Energia que nos impulsiona à busca pelo desconhecido, com interesse e empolgação pelo novo, pela compreensão da vida e assim alcançarmos cada dia mais uma forma evoluída de viver. Oxossí é a energia responsável pela agilidade de raciocínio.
Sob o comando dos Regentes Planetários que direcionam a energia Oxossí encontramos grandes falanges de entidades trabalhadoras, tanto no plano astral como físico, conhecidos por caboclos. Muitos deles ocupam o posto de "Chefes dos Terreiros". Entidades responsáveis pelos trabalhos realizados, pela doutrinação dos filhos de fé e pela manutenção energética das casas. Oxossí também é conhecido como o mestre das almas perdidas e perturbadas, que através de sua emanação alcançam o discernimento para o despertar evolutivo.
É comum vermos nas festas de Oxossí grandes quantidades de frutas e legumes que são distribuídos entre os filhos de fé e freqüentadores. Estes alimentos são energizados pelos guias trabalhadores no intuito de auxiliar energeticamente o corpo astral e físico de cada um, trazendo muitas vezes o restabelecimento de um problema de saúde, trazendo maior vigor físico, etc.
Em termos da vida humana, onde nascemos, crescemos, envelhecemos e morremos; Oxossí é a energia que representa o ser adulto porém, jovem e atuante, produzindo, ágil, aquele que está repleto de objetivos e ideais para alcançar.
Seu pólo energético natural são as matas. Ambiente onde nos aproximamos com maior facilidade da emanação desta energia. Local que buscamos para trabalho quando necessitamos firmar alguma situação. Usando de analogia, podemos dizer que quando um filho está precisando que seus projetos de vida fortifiquem, criem raízes e dêem frutos é necessário que sejam plantados nas matas.
Enfim, que Pai Oxossí, possa entrar na vida de cada um de vocês, trazendo muita saúde, muito vigor, muita esperança e vontade de viver, de aprender e que a vida de todos seja farta, assim como a natureza!

Abraços e Luz,
Mãe Solange de Iemanjá

6 de jan. de 2013



2013 Ano Regido por Iemanjá e Abaluaê

            Relembramos que o ano de 2012 foi regido por Ogum e Iemanjá. Ano que o propósito astral era de rever conceitos internos, equilibrar e ajustar o emocional, descarregar do coração mágoas e situações mal resolvidas, enxergar sem medos nosso lado bom e ruim, ter poder de analise sobre o ambiente em que vivemos e as pessoas com quem convivemos em relação a nós mesmos, etc; parte que as emanações de Iemanjá direcionaram. E para que tal se concretizasse era necessária a força e a garra para enfrentar o nosso eu, nosso ego, nosso orgulho, nossas vaidades; trazer a tona o ser destemido e perfeito que há em cada um de nós através das emanações de Ogum. Sabemos que para tudo há duas polaridades e o lado negativo do ano de 2012 foi justamente o desequilíbrio emocional, os melindres provocados pelo orgulho e a vaidade mexidos e feridos que levou a pré disposição ao confronto com aqueles que nos relacionamos, isto aconteceu com todos àqueles que se negaram a fluir juntamente com o direcionamento astral, sendo assim para muitos não foi um ano muito fácil de lidar.

            Portanto o ano de 2013 vem com a energia da vida e da morte, da prosperidade e transmutação, da paciência e da sabedoria, do vigor e experiência e finalmente da beleza em si de todos os momentos vividos pelo homem.

            2013 fluirá com a energia de prosperidade onde tudo o que prolifera terá abundância, por essa razão podemos esperar um ano onde muitas mulheres irão engravidar, onde os laços familiares se fortificarão, lavouras serão fartas, idéias e conceitos novos surgirão para a evolução da vida biológica e tecnológica do planeta. Esta parte entra nas emanações de Iemanjá que influenciará o ano de 2013 com sua polaridade de vida, fartura e intuição.

            Fluirá também com a força da transmutação de Abaluaê, onde a busca por transformar-se para melhor será incentivada nos seres instintivamente, ano perfeito para estudos, para cursos e concursos; onde a paciência e a utilização do acúmulo de experiências vividas virão à tona para nos auxiliar neste intento de transformação porém, tudo com mais calma do que no ano de 2012, graças as emanações de sapiência de Abaluaê.

            Infelizmente no grau de evolução que o planeta Terra se encontra, muitos ainda necessitam da dor para alcançar graus evolutivos e a polaridade negativa de 2013 trará também, proliferação de epidemias (através de vírus e bactérias), onde vários processo infecciosos levarão ao leito de dor e sofrimento grande número de pessoas; através dos desequilíbrios emocionais e desajustes com o fluxo astral também poderemos presenciar várias situações de abortos, pessoas adquirindo doenças sérias como o câncer, AIDIS, hepatite, enfim, a maior parte de doenças de contágio.  Será também um ano que veremos muitos idosos concluírem seus estágios na matéria.

            Em termos de fenômenos naturais podemos esperar as catástrofes através das forças das águas (Iemanjá) e dos deslizamentos de terras, queda de encostas e terremotos (Abaluaê), que mais uma vez levará de volta para a pátria astral muitas pessoas.

            Acho importante salientar que mesmo parecendo assustador, tudo está e é perfeito, dentro da consciência Cósmica que está direcionando nosso planeta para a evolução!  Se analisarmos ano a ano constataremos a grandeza e magnitude da consciência Cósmica, por esta simples comparação feita entre 2012 e o que está por vir em 2013, percebemos que o astral nos preparou para uma energia de força maior emocional, nos "forçando e obrigando" à reforma íntima, o que nos fez mais preparados e conscientes de nós mesmos. Equilíbrio necessário para nos manter livres das doenças, para fazer com que a máquina perfeita, que é o nosso corpo, funcione juntamente com o fluxo de energia da perfeição divina. Todos que no ano de 2012 conseguiram ao menos parte do intento do astral, automaticamente estará mais preparado e muito mais forte para superar as adversidades que as energias negativas de 2013 trará.

            Sendo assim, vamos nos conectar à polaridade positiva deste ano, nos ligando às energias de prosperidade, de vida, de beleza, de sabedoria e transformação. Àqueles que conseguirem se manter o mínimo possível conectado nesta polaridade, no final de 2013, com toda certeza dirá que foi um ano ESPETÁCULAR! E é o que desejo à todos os filhos do TUCAL, amigos e seguidores do nosso site. Feliz 2013!

 
Abraços e Luz,
Mãe Solange de Iemanjá