1 de abr de 2012


TERREIRO, O DESCANSO DA ALMA!



            Após ler a frase do Luiz Antonio Gasparetto, que diz:



            - O sofrimento não é o educador e sim o cansaço!



            Parei para refletir o quanto isso é real. Durante tantos anos trabalhando mediunicamente constatamos este fato. Pessoas passam anos e anos sofrendo e ajeitando desculpas que justifiquem essa dor. Como: Isso é uma provação, ou então, é um carma e por ai a fora; outros buscando culpados fora de si pelo sofrimento que passam e esse ciclo termina apenas quando a pessoa realmente se cansa e dá um basta, ou seja, compreende a lição que está em suas mãos as soluções, e dai em diante, como um passo de mágica enxerga caminhos, toma atitudes e muda radicalmente o rumo de suas vidas. Compreender que banhos, descarregos, trabalhos e etc, são apenas uma ajuda paliativa e não a solução dos problemas é um passo grandioso para qualquer pessoa. Estes trabalhos são realizados na intenção única de proporcionar um fôlego até que a pessoa desperte para a realidade e por ação própria, por mudança de conduta e rumo, modifique esse quadro de dor.



            Se pararmos alguns minutos para nos perceber, reparar em nosso eu e perguntar o que desejamos, todos nós constataremos o mesmo. Nosso eu, ou seja, nosso espírito só deseja coisas boas, momentos felizes, pessoas do bem e amorosas, saúde, paz, felicidade, etc. Não podemos esquecer que o nosso espírito é a chama Divina dentro de Nós. Sendo assim, se nosso espírito é a chama Divina, é sinal que Deus em momento algum deseja para nós, seus filhos, sofrimento e aflição!



            Como Umbandista, somos Cristãos, e não conheço uma passagem da Bíblia onde Jesus diz:- Sofra, seja infeliz.

            Isso não existe, em todas as passagens a mensagem é: - Siga os ensinamentos do Meu Pai e viverá a plenitude, a vida eterna, terá um lugar a direita do Senhor. Há todo momento é dito por Jesus, que aqueles que são mansos e de boa vontade, receberão as glórias dos céus. E que o caminho para isso é aprender e compreender as vontades do Criador.



            Diante disto posto, a única conclusão que consigo vislumbrar é que se sofremos é porque erramos em nossas escolhas e conseqüentemente colhemos os resultados. Se tivéssemos uma consciência um pouquinho mais lúcida, conseguiríamos aprender ao observar os exemplos que nos rodeiam, tanto para o bem, quanto para o mal, porém, teimosos e completamente dominados pelo inconsciente coletivo, nos deixamos levar por escolhas que momentaneamente cremos ser única e exclusivamente nossas, o que não é verdade. Um exemplo disso é fazer parte da corrente de um terreiro que trás em seus hábitos e costumes essa linha de pensamento que as fases difíceis de seus filhos são provações, são lições necessárias para evolução e dentro dessa egrégora, sem nem ao menos nos darmos conta, acatamos essa linha de pensamento, aceitando com resignação a dor e aguardamos até o suposto momento em que Deus terminará com tudo isso. Acontece que Deus nunca desejou nada disso para ninguém!



            Quanto tempo perdido, quanta dor sofrida, quanta dificuldade que acabamos impondo à nós mesmos por falta de uma consciência mais lúcida e ativa. Nestes momentos onde as coisas não vão bem, onde tudo parece bloqueado, onde as doenças iniciam, onde o emocional se abate e a vida financeira se deteriora à olhos vistos, a primeira e única pergunta que temos que nos fazer é: - Onde estou errando?



            Esta pergunta nos leva a uma infinidade de caminhos que devemos analisar, como: Tipo de crença.

                             Alguns acreditam que desejar ou pedir ao Cosmos (Deus) uma vida financeira abastada, que é um ato de desrespeito. Afinal, o sofrimento resignado é o que é bonito e reconhecido pelo astral.

                             Outros acreditam que passar por uma doença, ou muitas desavenças familiares, que são provações que o fará mais forte e que assim poderá provar sua fé.

                             Outros ainda, acreditam que a vida é assim mesmo, que o único jeito é ir tocando como pode.

                           E esta linha de pensamento deve ser cuidadosamente pensada, averiguar as reações do nosso orgulho, vaidade, ego, do peso e valor que damos ao negativo em nossas vidas.



            Estas crenças, nada mais são que formas de afirmações e escolhas do sofrimento. Muitos que estudam e fazem parte de uma corrente estão cansados de aprender e ouvir falar que as energias se ligam por afinidade, e acreditando desta forma, o que você está fazendo com sua vida?



            Realizada a auto análise de crenças e íntimo, o próximo passo é analisar o meio em que vive.

            Disse Jesus: - "Me diga com quem andas, que te direi quem és".

            Isto foi dito justamente para compreendermos que o meio influencia em nossa vidas e a escolha do meio cabe somente a nós. Devemos então analisar cada grupo que estamos envolvidos, que tipo de energia emanam e comportamento que adotam. A partir dai, reformular amizades, contatos e caminhos.



            Teimosos e limitados, estamos o tempo todo fazendo escolhas erradas, escolhendo caminhos indevidos, esquecendo de usar o bom senso e aprendizado para racionalmente analisarmos nossa situação. E assim, o ser humano vive uma constante de altos e baixos em sua vida.



            Com tantas situações aflitivas, correrias e problemas, chega finalmente o dia de irmos, por nossa escolha, ao terreiro. Ah, que delícia! Esse é o momento em que nosso espírito poderá se pronunciar e se fazer ouvir.



            Porque o terreiro é um local onde, apesar dos pesares, todos que fazem parte de sua estrutura vão para lá com o seu melhor, com o coração aberto. É um momento onde deixamos toda e qualquer dor de lado, esquecemos a vida material para viver por poucas horas o espírito, ou seja, tudo o que há bom em nós. Claro que sabemos que alguns não terão tanta afinidade com outros mas, todos que lá vão, sabem que o respeito e o carinho fraterno é uma conduta normal adotada por todos, então fazemos nossa parte e o ambiente fica leve, amoroso e divertido. É um prazer indefinido chegar para mais um trabalho. São horas de alívio da alma, cansada de nossos desacertos, e de restabelecer nossas energias. São momentos em que aprendemos lições valiosas o tempo todo e grande parte delas são passadas através do exemplo e não apenas com palavras que caem no esquecimento.



            O terreiro é um espaço sagrado, não há espaço para discórdias, imoralidades, desavenças de qualquer ordem.



            É o local onde a ALMA DESCANSA!



            Afinal, o Pai Todo Poderoso, só nos deseja o melhor! E o terreiro, tem que ser uma morada do Pai.



Abraços e Luz,

Mãe Solange de Iemanjá

Nenhum comentário:

Postar um comentário