19 de out de 2011


Conduta Moral e Religião

            A Umbanda, assim como qualquer outra religião, exige de seus seguidores uma conduta moral reta, dentro dos ensinamentos de Deus.

            Os fiéis vão a busca de uma religião por livre e espontânea vontade, seja por conta de uma situação difícil e de sofrimento ou por uma busca espiritual. No caso da Umbanda, grande maioria vai a busca de ajuda e consolo em momentos determinantes de sofrimento em suas vidas e diante da ajuda alcançada, gratos, tronam-se seguidores.

            A Umbanda não questiona o passado das pessoas, e nem se elas já pertencem a qualquer outro seguimento. Em primeiro lugar o caso é analisado e as pessoas são direcionadas e aconselhadas dentro de suas necessidades. Sendo assim, qualquer pessoa é recebida e atendida com fraternidade, porém ao se manifestar a vontade de se fazer parte do corpo mediúnico uma conduta moral reta será exigida com rigor dessa pessoa, que além de pregar a conduta moral reta, terá que cumprir o mínimo exigido.

            Como os trabalhos se realizam em conjunto com entidades de luz é necessário se observar tal conduta, pois antes de qualquer coisa exige-se do médium que se eleve vibracionalmente para que seja feita a integração entre entidade e médium para trabalhar em prol dos necessitados.

            Temos a consciência de que nenhuma pessoa encarnada no planeta Terra alcançará o patamar moral de um anjo ou santo, porém sabemos que regras básicas deverão ser seguidas com rigor. Um médium não tem o direito de se colocar em situações como: Adultério e conduta desenfreada sexualmente, roubo ou qualquer outra forma de prejudicar alguém materialmente, vícios como o alcoolismo e drogas, frequentar locais duvidosos e etc. Enfim, o básico que qualquer cidadão de bem conhece e que à mais de 2000 anos foi ensinado por Jesus Cristo.

            As pessoas que ainda se encontram nesse quadro inferior, serão prontamente atendidas e recebidas pela Umbanda na tentativa fraternal de fazê-lo despertar para o caminho correto e único, porém enquanto essas pessoas não conseguirem se livrar desses instintos inferiores não terão condições de fazer parte do corpo mediúnico, alcançando esse direito assim que fizer a escolha correta através de seu livre arbítrio, pois todas as condições necessárias serão entregues e ensinadas para que se alcance essa condição.

            Convém também a analise da personalidade de quem busca pelo trabalho mediúnico, seus dramas emocionais e psicológicos, já que muitas pessoas com sentimentos de frustações vividas encontram no trabalho mediúnico uma forma de se fazer respeitar, admirar e obedecer, alimentando seus egos e vaidades, fazendo do seu trabalho uma fonte para conquistarem o que desejam; fatores que estão distantes da verdadeira atuação espiritual.

            A compreensão de que o trabalho mediúnico se dá através da parceria entre médium e entidade, onde conselhos e direcionamentos serão passados para aqueles que recorrem aos trabalhos de Umbanda é o bastante para entender a importância da conduta moral daqueles que vestem o branco em nome de Oxalá. O médium é o espelho da doutrina mostrando através de seus exemplos o caminho a ser seguido.

            Esta seleção de trabalhadores em momento algum se trate de exclusão ou de julgamentos e sim o cuidado necessário para se manter uma aura energética elevada e esta lição também foi trazida pelo Senhor ao dizer: Me diga com quem tu andas que te direi quem és. Ou seja, não recusamos tratamento e acolhimento a ninguém, porém toda casa que trabalha com seriedade tem o cuidado de manter o mínimo necessário para a ligação com energias superiores, através da conduta de seus integrantes.



Abraços e Luz,

Mãe Solange de Iemanjá.

4 comentários:

  1. Mãe pequena Solange Villela diz:19 de out de 2011 21:53:00

    Mãe peq Solange Villela diz:

    A caridade começa em casa.Muitos dizem que estão na umbanda para praticarem a caridade.
    Como posso praticar a caridade se não procuro na minha vivencia diária buscar a minha evolução individual!

    ResponderExcluir
  2. Mãe Pequena Aline Bizotto19 de out de 2011 23:03:00

    Concordo com a Mãe Peq Solange.

    Como posso ajudar alguém se não me esforço para modificar minha conduta.

    Como foi dito no texto, ninguém é e nem será santo, mas há normas básicas e princípios que precisamos seguir.

    É o famoso "orai e vigiai", além do "agir" de modo a nos tornarmos um indivíduo melhor a cada dia.

    Esse texto deve ser lido e relido por todos, e principalmente para os filhos que pretendem fazer parte da corrente (ou de qualquer outra casa séria, seja umbandista, seja qual for a religião ou crença).

    Grande abraço a todos, e que possamos seguir confiantes de que vale a pena nos manter firmes em nossos propósitos e no caminho de Oxalá!

    ResponderExcluir
  3. Concordo...acredito que estamos na Terra não é fácil mais podemos nos melhorar a cada dia...se nos colocarmos no lugar do outro vemos que tudo isso passa e quando formos embora não precisaremos de determinadas coisas que aqui precisamos e sentimentos vontade de fazer. Se tivermos a consciência do caminho a ser seguido ficará mais fácil de caminhar. Agradeço a cada dia a oportunidade de evolução que venho tendo e buscarei cada vez mais. Beijos, Cris

    ResponderExcluir
  4. Agradeço ao nosso Pai...a Solange, Aline e Sol e a todos do Tucal que juntos com amor e paciência alcançaremos o caminho a ser seguido. beijos no coração Cris

    ResponderExcluir