1 de abr de 2011

Esclarecendo sobre os graus e degraus da esquerda.




         Recebi um questionamento de uma pessoa que dizia que a Pomba Gira Cigana que trabalha com ela, usa apenas água e rosas brancas e que isso causa estranheza até por parte dela que nunca viu uma entidade de esquerda trabalhando desta forma.
Este é o ponto que desejo levantar a questão.
Existem uma infinidade de sites, livros e etc que insistem em divulgar as características de trabalho de determinadas entidades, assim como as características pessoais que falamos em mensagem anterior.
Por exemplo:- Pomba Gira Maria Padilha.
Vestimenta - saia vermelha rodada
Bebida - Champanhe rose
Fumo - Cigarros longos ou cigarrilhas
Apetrechos - Rosa vermelha nos cabelos e lenço vermelho nos ombros, etc.....
Quero que saibam que isso é exatamente a mesma coisa que as histórias de vida das entidades, ou seja, não procede.
Essas informações vêm apenas para colaborar com manifestações anímicas (quando o médium faz as coisas acreditando que se trata de seu guia). Essas informações não procedem devido a cada grau ter sete degraus para cada mistério.
Mistério é o nome da falange utilizado pela entidade. Exemplo - Um Exú chegou
dizendo que se chamava Djalma. Acontece que o nome Djalma, era o nome de encarnado dele, não me dizia nada a respeito da linha do trabalho e atuação astral. O que precisamos é saber o nome (mistério) que ele carrega como força. Quando eu disse que queria o nome de falange dele, ele se apresentou como Zé da Estrada. Ahhhhh....ai está certo, assim eu sei qual a força que ele atua, quais as armas que ele tem a disposição, qual o tipo de treinamento que ele recebeu.
Vamos a analogia para uma melhor compreenção.
Faz de conta que o mistério Tranca Ruas (ou seja, o nome de falange) é um prédio.
Então o prédio Tranca Ruas tem 7 andares e 7 sub-solos. Em cada andar existe um monte de salas e cada sala representa um mistério menor. Exemplo:- O Zé da Estrada é um mistério menor, dentro do mistério Tranca Ruas.
Só que todos eles, por morarem neste prédio podem se apresentar como Tranca Ruas. Se o Zé da Estrada quisesse, ele poderia ter dito que era um tranca ruas, provavelmente não o fez, porque o chefe do terreiro é um Tranca Ruas do último grau, ou seja, lá da cobertura do sétimo andar.
Sendo assim, imaginem que no térreo, o pessoal bebe cachaça e fuma charuto e se apresentam como tranca ruas.
Lá pelo quarto ou quinto andar eles bebem vinho tinto e fumam cigarros e também se apresentam como tranca ruas.
No sexto andar eles bebem suco de limão com um pouquinho de cachaça e quase não fumam e também se apresentam como tranca ruas.
No sétimo andar, não bebem só usam água e também se apresentam como tranca ruas.
Agora, lá no sétimo subsolo eles bebem sangue humano e mastigam fumo e também se apresentam como tranca ruas. O que pretendo mostrar com isso é que dentro de um mistério, que é a força que carrega um nome, existem vários níveis evolutivos, tanto no positivo, quanto no negativo e tudo isso dentro da negatividade (baixo astral, umbral, purgatório, trevas, pólo negativo, ou o nome pelo qual você conhece o submundo).
Ou seja, a força de atuação e manipulação destas entidades podem ser usadas para o bem ou para o mal dependendo do nível evolutivo que se encontra cada entidade (andar onde mora).
Sendo assim, dizer afirmativamente que o Tranca Ruas bebe Whisky, que o Marabô toma vinho e etc é completamente infundado. E essas informações distorcidas geralmente influenciam os médiuns novatos, que ao se deparar com uma entidade que se diz chamar Tranca Ruas e ao trabalhar com ele vá pedir pinga. Pode o médium, por ter lido ou aprendido em algum lugar que ele bebe whisky e assim, interferir no pedido de sua entidade, sem ter consciência do que está fazendo (animismo), e substituir a pinga pelo whisky. Colocando todo um trabalho a perder; por se tratar o wshiky, de uma energia completamente diferente do nível que a entidade dele se encontra (andar do prédio) e que poderia trabalhar e manipular.
Tem mais um, porém, o exemplo do prédio, modificando as bebidas a cada andar que subia, não é regra. Existem entidades que “moram” no sétimo andar e que bebem pinga sempre que necessário para determinados trabalhos e, seu nível evolutivo é muito maior dos que um astuto rabo de encruza que pede água para lubridiar as pessoas e manipulá-las.
Portanto, não percam tempo com esse tipo de informação, e se o fizer poderão verificar que em um site diz uma coisa completamente diferente do outro mesmo ao tratar da mesma entidade porque cada um vai colocar os materiais que suas entidades utilizam em seus degraus e graus, como verdade concreta e absoluta.
Esse tipo de informação só confundirá os médiuns e, os fará errar por possuírem arquivados em sua memória essas informações.
Vou dizer aqui uma coisa que tenho certeza que vocês nunca viram, e que poderia ser pedido normalmente pela Ciganinha Menina do Cruzeiro da Calunga. Ela poderia vir em terra e pedir um suco de abacaxi com um golinho de pinga para beber.
Quem já viu isso? E se isso acontecesse com vocês? Vocês achariam que estavam ficando loucos? Vocês confiariam em pedir essa bebida? Tenho certeza que não...
Agora vou explicar.
O abacaxi é uma fruta consagrada à Iansã (Orixá que direciona eguns). A pinga é uma bebida consagrada à Exú. Ao pedir um suco de abacaxi com um gole de pinga, esta entidade estará mostrando o seguinte:- Que ela trabalha no pólo negativo de Iansã portanto, ajuda a encaminhar almas (eguns) após seu desencarne, e que ela faz isso mesmo estando na esquerda, ou seja, mesmo sendo uma pomba gira, ela trabalha encaminhando positivamente almas.
Já me estendi demais acho que já deu pra vocês compreenderem que vocês devem trabalhar mediunicamente desprovidos de pré conceitos, livres de tabus, para que suas entidades possam se manifestar verdadeiramente na energia de sua atuação.


Abraços e Luz
Mãe Solange de Iemanjá

Um comentário:

  1. Essa explicação foi muito esclarecedora, bem fácil de assimilar.
    Gostei mesmo!

    ResponderExcluir