4 de mar de 2011

A PREPARAÇÃO DO MÉDIUM ANTES DA REENCARNAÇÃO



          Se o espírito ou ser desencarnado aceitou a faculdade mediúnica, faz-se necessário que se proceda ao preparo dele, afim de que possa manifestar ou revelar isso, no mundo dos encarnados, que provisoriamente vai ser o seu.

          Esse preparo começa pela parte moral, quando lhe é feito sentir tudo o que terá de sofrer ou passar em relação a esse dom e até mesmo quais os seres irmãos desencarnados que vão agir através de sua mediunidade.

          Estando esta parte moral kármica bem situada, segue-se o outro preparo, de caráter puramente energético.

          Sim, porque a condição moral-espiritual kármica quer  probatória(que serve de prova), evolutiva ou missionária em que os seres forem situados, em relação com a dita mediunidade, antes de ocuparem a forma humana, será posta em relevo, quanto ao
esforço próprio, isto é, serão bem advertidos de que reajustes, benefícios e êxitos ficarão na dependência de seus esforços, da força de vontade que devem usar ou ter para vencer.

          É lhes mostrado, também, como essa faculdade medianímica, se revelando em benefícios, em caridade sobre os outros, trará a seus karmas, pela lei do é dando que se recebe, os elementos que se incorporarão às aquisições positivas, no caminho da evolução.

          Assim, essa dupla condição de ser veículo dos espíritos, dada a forma de um dom, é, em primeiro lugar, uma condição espiritual especial, dotada ao ser, antes de encarnar e que se afirma durante a gestação.

          Isso, de modo geral, mas, excepcionalmente, pode ser conferido depois, no encarnado já adulto.

          Acreditamos que o ser não encarnado trava conhecimento com os espíritos que através de sua mediunidade obterão a evolução, firmando desta forma, antes mesmo do seu nascimento, um pacto de ajuda mútua.

Abraços e Luz,
Mãe Solange de Iemanjá

3 comentários:

  1. Mediunidade x Karma

    Os verdadeiros médiuns da Corrente Astral de Umbanda, que foram surgindo desde que ela iniciou seu movimento propriamente dito sobre o Brasil e dentro dos cultos afro-brasileiros, têm que ser, forçosamente enquadrados nas três categorias apresentadas abaixo:
    A) Os de Karma Probatório ou de Simples Função Mediúnica-Auxiliar.
    B) Os de Karma Evolutivo ou dentro do Mediunato, ou seja, de uma missão (Não confundir a criatura-médium, dentro de seu mediunato, que não deixa de ser também uma missão providencial, porém mais afeita à fiel execução da faculdade mediúnica com a criatura-médium de um karma missionário, isto é, que sempre encarna com uma tarefa especial que abrange vários aspectos, sempre de acordo com o valor de seu grau de iniciação. Aquele pode ter recebido a missão do mediunato, talvez pela primeira vez e ainda sem ter nenhum grau de iniciação, por isso se classifica de carma evolutivo; e esse último, não: o seu grau de missionário já o acompanha, no mínimo, por mais de três encarnações ) providencial, salvadora, etc.
    C) Os de Karma Missionário ou dentro do duplo-sentido - o de mediunato e do grau de médium-magista...
    Passemos a definir o melhor possível essa questão um tanto complexa, difícil de ser explicada pela palavra escrita, pois nisso é que esta a chave de todas as confusões reinantes...
    Na categoria A pode-se enquadrar a maioria dos médiuns que surgiram até o momento. Esses médiuns-homens foram surgindo dentro de suas simples funções mediúnicas e sob a cobertura dos caboclos, pretos-velhos e outros no grau de protetores auxiliares de um plano mais inferior. Foram surgindo, simplesmente, como médiuns vê função auxiliar, devido mesmo a certas injunções da natureza kármica ou plano mental em que estão situados.
    Os protetores que lhes deram ou dão cobertura também desceram ou vieram, dentro de certas restrições, de certa ação limitada, porque não estão na categoria de magos, não alcançaram ainda a ordenação completa para todos os trabalhos. Não estão capacitados, ainda, para assumir responsabilidades de tamanho vulto.
    Todavia, como auxiliares dos outros protetores de graus mais elevados e dos guias, podem, dentro de certo âmbito, manipular determinados aspectos de ordem mágica, assim como agir (debaixo, sempre, da orientação ou da supervisão dos maiores) ou manipular certas oferendas simples; as rezas, os passes,as descargas ligeiras, certas afirmações e fixações leves, tudo de acordo com as suas capacidades ou conhecimentos relativos, de protetores-auxiliares (nesse meio ou categoria, alguns desses médiuns podem evoluir para condições auxiliares superiores, dados os naturais impulsos de evolução dos mais credenciados ou predispostos, e ainda pela circunstância de terem recebido a cobertura mediúnica de um grau mais elevado).
    Dentro, ainda, dessas condições estão incluídos os médiuns do sexo feminino da Corrente Astral de Umbanda.
    Na categoria B, pode-se enquadrar ainda essa ou aquela pequena parte de médiuns-homens que receberam a outorga do mediunato, ou seja, uma missão providencial, salvadora, dentro da Corrente Astral de Umbanda...
    Neste caso foi autorgado o dom mediúnico a um ser que embora não sendo para fins puramente probatórios, é conferido como um acréscimo positivo, a fim de incrementar as qualidades aproveitáveis que já venha revelado. Essa faculdade lhe é dada a título de ajuda à sua evolução, pelo seu merecimento.
    Conferem ainda, este citado dom, àqueles que, já possuidores de elevados conhecimentos, já com grande entendimento sobre as eternas verdades, que são as leis morais estabelecidas, podem servir em uma missão. Estes têm um Karma Missionário. Através deles, pelos conhecimentos que lhes são próprios, pelo desejo ardente que têm de ajudar seus irmãos, assim, lhes conferem essa faculdade, a fim de se porem em condições superiores de esclarecimentos, para servirem melhor sob vários aspectos, dentro da missão que lhe foi confiada.

    ResponderExcluir
  2. Preparação do Médium Antes de Encarnar
    Se o espírito ou ser desencarnado aceitou a faculdade mediúnica, em qualquer das três situações mencionadas no tópico "Mediunidade x Karma", faz-se necessário que se proceda ao preparo dele, afim de que possa manifestar ou revelar isso, no mundo dos encarnados, que, provisoriamente vai ser o seu. Esse preparo começa pela parte moral, quando lhe é feito sentir tudo que terá de sofrer ou passar em relação com esse dom e até quais os seres irmãos desencarnada (é claro), que vão agir através de sua mediunidade.
    Estando esta parte moral kármica bem situada, segue-se o outro preparo, de caráter puramente energético. Sim. Porque a condição moral espiritual kármica, quer probatória, evolutiva ou missionária em que os seres forem situados, em relação com a dita mediunidade, antes de ocuparem a forma humana, será posta em relevo, quanto ao esforço próprio, isto é, serão bem advertidos de que reajustes, benefícios e êxitos ficarão na dependência de seus esforços, da força de vontade que devem usar ou ter para vencer, etc.
    É-lhes demonstrado, também, como essa faculdade medianímica, se revelando em benefícios, em caridade sobre os outros, trará a seus karmas, pela lei do "dando é que recebemos", os elementos que se incorporam às aquisições positivas, no Caminho da Evolução.
    Assim, essa dupla condição de serem veículos dos espíritos, dada na forma de um dom, é, em primeiro lugar, uma condição espiritual, especial, dotada ao ser, antes de encarnar e que se firma durante a gestação. Isso, de modo geral, mas, excepcionalmente, pode ser conferido depois, no encarnado já adulto.
    Em segundo lugar, é uma condição orgânica especial, dotada por acréscimo das condições orgânicas normais. Por quê? Porque é sobre o organismo físico, humano, que se vão processar fenômenos, condições extra-normais, reveladas em aspectos visíveis, sensíveis e palpáveis à percepção humana, objetiva. Órgãos humanos traduzirão, através de seus elementos próprios, manifestações que possam ser vistas, sentidas e analisadas por outros seres, que o farão, também, através de seus próprios órgãos físicos. Torna-se claro que a criatura-médium, revelando condições supranormais, quando traduz pela intuição, irradiação, vidência, etc., especialmente pelo transe mediúnico ou incorporação dos espíritos, a ação direta, inteligente, diferente, desses mesmos espíritos, de forma extraordinária, isto é, que não é comum as outras pessoas, é porque está possuído de condições especiais em seu organismo, que facultem a materialização desses fenômenos.
    São fluídos nervosos específicos que ele possui, em certas regiões vitais ou zonas de equivalências, como produtoras e captadoras dessas ligações. E essas zonas, situadas no organismo humano, são centros nervosos vitais, compostos de gânglios ou plexos que sofreram uma operação, uma manipulação própria, uma carga fluídica, por acréscimo, que faz com que saíam de suas condições normais, porém, controladas, afim de não se desequilibrarem por esse excesso.

    ResponderExcluir