26 de fev de 2011

ESPINHEIRA - SANTA



ESPINHEIRA-SANTA

Nome científico: Maytenus ilicifolia (Schrad.) Planch. 

Família: Celastraceae. 

Constituintes químicos: ácidos tânico, clorogênico, maytenóico, salasperônico, salicílico, d-amirina, taninos (4'-metil epigalocatequina e seu epímero 4'-metil-ent-galocatequina), ansamacrólidos tipo maitanosídeos, glucosídeos, triterpenos quinóides e dímeros (maitensina, maitomprina, maitambutina, atropcangorosina A, pristimerina, isopristemerina III, tingenona, isotingenona III, congoaronina, congorosina A e B, friedooleanan-5-en-3, b-29-diol D, friedooleanan-29-ol-3-ona D, ilicifolina, maitenina maitanbutina, maitolidina); diterpenos (dispermol, maitenoquinona), lactonas (maitanprina, maitansina), cafeína, polifenóis flavonóides (quercetínico e kaempferólico), substâncias nitrogenadas, carotenóides, óleo essencial, mucilagens, açúcares livres; sais minerais (ferro, enxofre, sódio, cálcio) e resinas; triterpernos friedelina, friedelanol, lupeol, lupenona, simiarenol, beta-amirina, beta-sitosterol, estigmasterol, campesterol, ergosterol, brassicasterol, a-tocofenol, esqualeno, ácido hexadecanóico, terpenóides (maitesina), maiteno, leucoantocianinas, proantocianinas. 
As sementes contém 10 a 12% de óleo fixo. O conteúdo de taninos pode chegar a 4,6%. 

Propriedades medicinais: adstringente, analgésica, antiácida (poderosa), antiasmática, antiespasmódica, antidispéptica, antiinflamatória, antiulcerogênica (casca em decocção), anti-séptica, antitumoral, aperiente, balsâmica, carminativa, cicatrizante, colagoga, contraceptiva, desinfetante, digestiva, diurética fraca, emenagoga, eupéptica, febrífuga, estomáquica, laxativa, reguladora da fertilidade, sialogoga, tônica, vulnerária. 

Indicações: gastrite crônica, gases, fermentações gastrintestinal, doenças da pele (acne, eczema, eczemas, ulcerações, herpes, afecção pruriginosas), moléstias do estômago, úlceras pépticas; males hepáticos e renais; azia, vômitos e digestão, irritações estomacais, atonia gástrica, hiperacidez, gastralgias; inflamação, vômito. 

Parte utilizada: folhas, cascas, raízes. 

Contra-indicações/cuidados: não é recomendada para crianças, gestantes e lactantes. Evite o uso em caso de hipersensibilidade (detectada em um número reduzido de pessoas). 

Efeitos colaterais: pode provocar contrações uterinas e reduzir a produção de leite nas mulheres.
A administração por via oral de infusos e liofilizados de folhas, não mostrou qualquer efeito tóxico em doses de até 1.600 vezes superiores aquelas recomendadas. 

Modo de usar: 
- A infusão das folhas, o chá das cascas e raízes (preparado por decocção) e os extratos, tinturas e cápsulas são indicados para o tratamento de úlceras, indigestão, gastrite crônica, dispepsia, constipação intestinal, eczemas, falta de apetite, astenia, asma, flatulência, anemia, insuficiência hepática, doenças dos rins e bexiga, feridas e furúnculos; 
- Infusão: 2 colheres das de sopa de folhas secas picadas ou 12 folhas frescas grandes em 1 litro de água. Tomar antes das principais refeições; 
- Decocção: 30g de folhas picadas em ½ litro de água. Ferver e, após esfriar, tomar 3 xícaras ao dia (úlcera interna); 
- Compressas: ferver 10 folhas em ½ litro de água. Esfriar e aplicar topicamente em feridas; 
- Tintura: 2 colheres das de sopa a cada 8 horas; 
- Infuso: 20g para 1000ml de água. Tomar 3 a 4 xícaras ao dia; 
- Pó: 400mg de pó, 1 a 2 vezes ao dia; 
Obs.: 
- atualmente, o tratamento de câncer é bastante estudado; 
- uma pesquisa prévia revelou que a planta possui compostos antibióticos (maitesina e maiteno), com potente ação antitumoral, especialmente contra a leucemia. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário