26 de fev de 2011

2 - Os meridianos de Energia






A pergunta mais freqüente que costumo escutar é: “Os meridianos de energia têm a ver com os chacras?” Bem, poderia dizer que mais ou menos...

Assim como os chacras, os meridianos tratam do conceito oriental de energia; prana para os indianos, chi para os japoneses, qi para os chineses. Meridianos e chacras são duas coisas muito distintas, que se fundamentam em uma teoria diversa, mas direcionadas a um objetivo comum: equacionar o sistema energético do corpo humano.

Gostaria de lhe falar um pouco sobre o significado de energia e sobre a teoria dos meridianos. O que seria essa tal energia, é algo místico? Acredito que não. Defini-la cientificamente de uma forma simples é complicado, pelo fato de ser uma suposição sensitiva. Façamos uma experiência: “Peço que levante suas mãos na altura do rosto e respire profundamente três vezes. Você poderá sentir um aumento da energia nas suas mãos”. A explicação para este fato nos parece simples, pois a energia sentida provém do oxigênio que o sangue leva para as mãos. Mas essa ainda não seria a resposta mais satisfatória, pois existe também a sensação que faz com que você sinta o aumento de energia nas mãos. Esta sensação é criada por um impressionante agrupamento nervoso que leva informações para o cérebro.

Bom, então energia seria o circuito eletroquímico do nosso corpo? Nem uma coisa nem outra, é tudo junto: oxigenação, sangüinidade e sinais nervosos. E isto é ainda uma visão simplista, fato é que a mania que temos de fornecer explicações complexas, sobre fenômenos que não dominamos completamente, nos confunde muito.

Então os chineses descobriram há muito tempo que, quando nossos órgãos estavam apresentando problemas, surgiam dores em partes diversas do corpo. E depois descobriram que essas dores não surgiam de forma aleatória. Eles verificaram que naquelas dores ao longo do corpo havia uma dinâmica. Mas o que isso quer dizer? Saber que um problema em um órgão interno gera dores no corpo não tem nada demais, agora saber que os problemas de pulmão geram dores em áreas parecidas em todas as pessoas foi uma novidade e tanto.

 E em pouco tempo estava lá, estupendo, o meridiano do pulmão, uma linha que desce do peito até o dedão da mão e que, estimulada, pode influenciar o pulmão.

Eles compreenderam que a energia dos nossos órgãos e glândulas circulava por canais internos e externos do nosso corpo e que, conhecendo o caminho desses canais, em sua manifestação externa (pois os canais apresentam também ramificações internas), poderiam não só diagnosticar problemas em órgãos específicos, como também influenciar a cura e melhoria desses órgãos, pelo desbloqueio da energia em seus canais.Esse foi o início de uma ciência terapêutica energética. No caso, a terapia dos meridianos.




Nenhum comentário:

Postar um comentário